Bispo do Funchal crismou jovens da Visitação e da Encarnação

Foto: Duarte Gomes

No domingo, 23 de junho, foram duas as paróquias que receberam a visita de D. Nuno Brás: Visitação e Encarnação. Na primeira o prelado crismou um grupo de seis jovens e na segunda um grupo de 28.

Em ambas as celebrações o bispo diocesano explicou que as leituras do dia eram “pequeninas, mas muito ricas”. Tanto assim, que procurou explicar cada uma delas em particular.

Na primeira Job “ralha” com Deus e isso, explicou o prelado, “não tem mal, desde que tenhamos a sabedoria de reconhecer a nossa insensatez”. Na segunda é revelado que temos de deixar de viver para nós e passar a viver para Cristo. Finalmente, no Evangelho, Jesus manda acalmar as águas e o vento, a pedido dos discípulos, mas questiona a sua fé.

E ter fé é algo muito importante, porque nos permite “ver a realidade de forma diferente”. É colocarmos “Deus em toda a nossa vida” e deixar-mos que o seu Espírito nos ajude a “ver o mundo com outros olhos.

Dando um exemplo prático, como muitas vezes gosta de fazer, D. Nuno Brás tirou os óculos e explicou aos crismandos, quer de uma quer de outra comunidade, que os via desfocados. “É assim quando não temos fé”, disse, para logo acrescentar que “vemos tudo desfocado”. 

Embora seja o primeiro a dizer que o sofrimento e as dificuldades não vão deixar de existir, ter os “óculos” da fé vai nos permitir que encaremos esse sofrimento e essas dificuldades de outra forma e o mundo também. 

Na verdade, “passamos a ver o mundo com os olhos de Deus e o mundo deixa de estar desfocado”. O mesmo é dizer, “aquele que tem fé vê a mesma realidade, mas vê a realidade de forma diferente porque a vê a partir de Deus. 

“Era isso que faltava a Job, aos discípulos e que nos falta muitas vezes a nós: ver a nossa vida, não simplesmente com os nossos olhos, mas com os olhos de Deus”, explicou para logo acrescentar que isso se faz com o Espírito Santo que cada um iria receber.

Em ambas as celebrações coube aos párocos, Pe. André Pinheiro e Pe. Alexandre Henriques Jorge, respetivamente, agradecer ao prelado a sua disponibilidade para presidir a estas celebrações, bem como aos catequistas, pais, padrinhos, coros e todos aqueles que de algum modo contribuíram para que os jovens não se desviassem do seu percurso.

Crismas na paróquia da Visitação

Crismas na paróquia da Encarnação