Machico: Bispo desafia 45 crismados a ajudar outros a descobrir Deus

Foto: Duarte Gomes

“Nós cristãos precisamos de ter novos horizontes, para vivermos e vivermos bem não nos basta olhar para aquilo que está agora à nossa volta. Precisamos de olhar mais longe e Deus é o mais longe que se pode olhar”. As palavras são de D. Nuno Brás e foram proferidas na Eucaristia a que presidiu no sábado, dia 9 de março em Machico, no decorrer da qual crismou 45 jovens.

Na sua homilia, o prelado explicou que se pode viver sem Deus, mas o problema é que viver assim é viver felizes e contentes como sapos, que nada conhecem a não ser o fundo do poço onde nasceram. É por isso que “precisamos de Deus: para não vivermos como sapos”.

Uma visão muito curta para nós seres humanos que “fomos feitos para o infinito, fomos feitos para Deus”, vincou D. Nuno Brás, para logo sublinhar que as leituras deste dia eram “muito interessantes precisamente porque nos chamam à atenção para esta realidade”. 

“Somos nós quando escolhemos o mal, quando escolhemos esquecer Deus, quando escolhemos não ter Deus em conta, que nos condenamos a nós mesmos, quando escolhemos olhar só para os nossos sapatos, em vez de olhar para outros horizontes”, que nos afastamos da verdadeira felicidade.

De resto, “Deus não enviou o filho ao mundo para o condenar, mas para que o mundo seja salvo por Ele e é de graça, como diz São Paulo na 2ª leitura”.

E isto tem tudo a ver com o Crisma “porque Jesus aposta em ti, em ti que vais ser crismado e aposta não apenas para viveres com Ele, mas para ajudares os outros a descobrirem Deus, para ajudares os outros a viver de uma forma diferente, para ajudares os outros a contar com Deus”.

Num momento de silêncio, o prelado convidou a assembleia a dizer que não quer ser como os sapos, “que Deus pode contar connosco para aquilo que Ele quiser, porque queremos viver com Ele e ajudar todos os que estão à nossa volta a descobri-Lo, a encontra-Lo a acreditar Nele, a viver com Ele Sempre todos os dias da nossa vida”.

Como é hábito nestas ocasiões coube ao pároco de Machico, Cónego Manuel Ramos, apresentar o grupo de crismandos e agradecer a disponibilidade de D. Nuno Brás para presidir a esta celebração.