Banco Alimentar Contra a Fome: D. Nuno Brás diz que mais que do que dar o exemplo é preciso fazer

Foto: Duarte Gomes

O bispo do Funchal esteve na noite deste sábado, dia 2 de dezembro, junto dos voluntários do Banco Alimentar Contra a Fome  da Madeira. 

D. Nuno Brás foi até ao animado armazém do Banco Alimentar, para onde são encaminhadas as recolhas feitas nos vários supermercados, para “dar o exemplo, mas dar o exemplo fazendo” e assim ajudando a colmatar a sempre real “falta de voluntários”.

Mas no turno das 20 às 23 horas, para além do bispo diocesano, juntaram-se aos voluntários da ‘casa’, um grupo de jovens ligados ao Projeto Raízes que também quiseram dar uma mãozinha a esta campanha que decorre até à meia-noite de domingo, dia 3. 

A propósito, D. Nuno Brás disse ser esta “uma iniciativa importante sobretudo para eles, que têm esta ânsia de colaborar, de fazer qualquer coisa, sendo importante que eles percebam que sim, que são úteis”. Tudo isto, disse, vem reforçar que “os jovens não são egoístas, antes pelo contrário”.

Já Fátima Aveiro, presidente do Banco Alimentar Contra a Fome da Madeira, disse ao Jornal da Madeira, que é sempre bom poder contar com novos voluntários e que se um deles é o bispo diocesano, melhor ainda.

De resto, explicou a responsável, “as campanhas do banco costumam ser uma festa de pessoas que se juntam quer nos supermercados, quer no armazém e é também uma celebração à Festa e ao nascimento que se aproxima”.

O bispo diocesano fez ainda questão de sublinhar o quanto “é bom ver as diversas instituições a colaborar umas com as outras”, desde o exército aos bombeiros, às superfícies comerciais, às empresas que ajudam na logística do armazém e oferecem uma série de outros contributos que são igualmente importantes.

A propósito, Fátima Aveiro acrescenta que, entre os muitos voluntários, há também beneficiários da ajuda, o que é importante, como importante é também “a presença de muitas crianças que crescem, seguem para a universidade, mas que quando podem voltam, sinal de que o Banco Alimentar lhes deixa essa marca”.

André Castro faz parte do Projeto Raízes. É um dos muitos jovens que, no primeiro sábado de cada mês, se envolvem ora em atividades de crescimento espiritual em grupo ou de “ajuda à comunidade”.

Neste mês de Dezembro, que é um mês especial, de família, partilha, de estar próximo do outro, sentiram necessidade de fazer uma atividade concreta. 

Ao se lembrarem que ia haver recolha neste sábado, logo perceberam que era aí que podiam fazer a diferença. Os contactos foram feitos e os jovens lá chegaram, a tempo e horas de cumprir a sua missão e de fazer parte não de uma linha de montagem, mas antes de desmontagem. É que de um lado da ampla mesa ficam os que esvaziam os inúmeros sacos que vão chegando e da outra os que arrumam os produtos conforme a sua categoria. 

Se tem disponibilidade e gostaria de ajudar como estes jovens, saiba que o Banco Alimentar da Madeira ainda precisa de voluntários para alguns dos supermercados em que está a decorrer a campanha.

Os interessados podem inscrever-se através do email ba.madeira@bancoalimentar.pt. ou dos contactos 291617839/ 967583368. 

Na Região, o Banco Alimentar apoia cerca de 7.500 pessoas, comprovadamente carenciadas, através da rede de parcerias com 40 instituições de Solidariedade Social. 

Esta campanha está a decorrer em 26 supermercados da Região, precisando de mais de 700 voluntários para a concretizar. 

Apesar de ainda não haver números concretos, as notícias que chegavam a Fátima Aveiro, eram boas, o que não impede a responsável de deixar um apelo para que todos colaborem com o que puderem, pois quantos mais produtos recolhidos mais serão as pessoas apoiadas.