Maria Cabral, a “artesã” que aos 97 anos faz “Registos” para ajudar os Cristãos perseguidos

Um ‘vício’ que ajuda a salvar vidas

Foto: Fundação AIS

Maria Antónia Cabral foi uma das primeiras 10 mulheres a licenciar-se em Arquitectura em Portugal e, apesar de já ter 97 anos, continua activa. Na semana passada foi inaugurada em Lisboa uma exposição sua de Registos, um trabalho artesanal muito minucioso de Arte Sacra cuja venda vai reverter para a Fundação AIS. É um gesto que diz muito de alguém que procura com o seu talento minorar o sofrimento dos Cristãos perseguidos em todo o mundo… 

Foto: AIS

Tem 6 filhos, 14 netos e 15 bisnetos. Aos 97 anos, Maria Antónia Cabral, ou “Bixa”, como também é conhecida,continua muito activa e a prova disso é a exposição de Registos, inaugurada em 4 de Novembro, no auditório da Junta de Freguesia de Benfica, em Lisboa. Os Registos, de que ela se encantou ainda criança, são uma expressão muito popular de arte sacra. Trata-se de um trabalho artesanal minucioso com a imagem de um Santo ou de Nossa Senhora, por exemplo, que se guarda numa caixa emoldurada artisticamente e protegida com um vidro. Alguns registos incluem uma relíquia. São os relicários. Para Maria Antónia Cabral, uma das primeiras dez mulheres licenciadas em Arquitectura em Portugal e autora de banda desenhada, os seus Registos são, acima de tudo, um “hobby”. Um passatempo que levou muito a sério e que se tem transformado em solidariedade para com os Cristãos perseguidos no mundo, pois a venda destes objectos populares de arte sacra tem revertido para a Fundação AIS. E isso vai acontecer agora, novamente, com a exposição em Benfica. Os Registos entraram na vida desta mulher simples, de sorriso amável, quando era ainda criança. “Desde pequena, muito pequena, aprendi as primeiras letras com a minha mãe, e lembro-me que ela já me ensinava a forrar caixinhas e a pôr florzinhas em relevo em cima das tampas das caixas. E lembro-me, tinha uns 14 ou 16 anos, de ver na Nazaré os Registos que tinham aquelas mulheres na praça de peixe. Ficava encantada a ver aquilo. Eram de uma enorme simplicidade. Depois, muito mais tarde, decidi começar também a fazê-los. Os primeiros eram muito rudimentares… mas depois casei e parei.” Mas o ‘bichinho’ ficou. “Tenho a impressão de que fazer Registos é um vício. Tenho uma prima que faz Palavras Cruzadas, tenho uma tia que fazia Paciências, comigo são os Registos…. É um vício.” Maria Cabral não sabe quantos já terá produzido até hoje, diz apenas que foram já “muitos”. Seguramente que centenas. 

Amiga da Fundação AIS

A artista, que se considera apenas artesã, faz da escolha dos materiais uma das partes mais gostosas desde “hobby”. O olhar foi-se refinando com o tempo e ela passou a descobrir no desperdício as matérias-primas para os seus trabalhos. “As embalagens do IKEA, por exemplo, são estupendas, é um cartão lisinho, perfeito”, diz. Uma coisa é certa: “Nunca comprei nada”. Em todos estes anos como artesã já utilizou pedaços de vestidos antigos que eram da sua mãe, cortinados velhos, almofadas gastas pelo tempo, roupa em desuso. De tudo retira alguma coisa que transforma no adorno, no aconchego de algum santo. Desde há cerca de uma dúzia de anos que Maria Cabral é benfeitora da Fundação AIS. Em casa recebe os boletins e as cartas enviadas pela Ajuda à Igreja que Sofre, e isso permite-lhe estar informada sobre a realidade dramática da Igreja perseguida no mundo.  “A Fundação AIS apareceu na minha vida há algum tempo já. Confio na instituição, porque vejo que é uma coisa que é da Igreja, e o que faz é bem entregue… tudo o que puder aliviar o sofrimento é bem-vindo”, afirma, explicando a razão por que escolheu agora ajudar a Fundação AIS com a venda do seu trabalho. “Eu leio tudo o que se passa nos Boletins que mandam cá para casa, e isso motiva-me a ajudar no que puder. E agora, tendo ali tantos Registos, decidi fazer uma exposição e [o valor angariado] vai para a AIS.” Um gesto que diz muito de alguém que, aos 97 anos, se inquieta com o mundo e se incomoda com o sofrimento dos Cristãos que são perseguidos por causa da sua fé. 

Paulo Aido