Dia Mundial do Doente assinalado com Eucaristia em Santa Cruz

Foto: Duarte Gomes

A Diocese do Funchal assinalou no sábado, dia 11 de fevereiro, o 29.º Dia Mundial do Doente, desta vez com uma Eucaristia na igreja de Santa Cruz.

A celebração foi presidida por D. Nuno Brás, que na sua homilia começou por lembrar que a palavra de Deus “nos chamava à atenção para a necessidade de colaborarmos com Ele na obra da salvação”.

Por outras palavras, ”Deus criou tudo aquilo que existe e não desistiu daquilo e daqueles que criou”. Porém, vincou, “Deus não nos salva sem a nossa colaboração, sem a nossa cooperação ativa, sem que correspondamos àquilo que é a obra de Deus”.

A esta atitude de resposta, disse o bispo do Funchal, “chamamos fé”. E é a ela que se refere o Papa Francisco, na sua mensagem para este Dia Mundial do Doente, quando renova o convite de Deus: “Trata bem dele”. O mesmo fez o bom samaritano, que cuidou daquele homem, sem sequer saber quem ele era.

Seguindo o exemplo do bom samaritano, o Papa diz-nos ainda que temos de cuidar do outro, de tomar conta do mais frágil, fazendo dessa atitude individual, uma atitude de sociedade, criando instituições que sejam verdadeiramente capazes de garantir que todos, sem discriminação, possam ter acesso a este cuidado que é próprio do ser humano.

“Por isso mesmo, nós cristãos não podemos simplesmente dizer: eu já cuido dos meus pais, dos meus irmãos, daquele que não sei quem seja, mas precisamos de cuidar e zelar pelo todo, pelo nosso modo de viver em comum”, vincou D. Nuno Brás.

Temos de “dar graças a Deus porque vivemos numa sociedade onde temos hospitais, centros sociais e paroquiais e outras instituições tão variadas que desenvolvem já estes cuidados”. Porém, não nos podemos esquecer nunca aquilo que o Senhor diz no Evangelho, quando refere que não devemos “ficar contentes com o que temos, que já conseguimos, porque há sempre alguma coisa a melhorar, alguma coisa a fazer, sempre”.

No início desta Eucaristia, concelebrada por outros sacerdotes, entre os quais o Cónego Vitor Gomes, pároco de Santa Cruz a quem o bispo diocesano agradeceu o acolhimento e pelos capelães do Hospital Dr. Nélio Mendonça e do Hospital dos Marmeleiros, padres Bonifácio Santos e Fernando Soares, respetivamente, usou ainda da palavra o enfermeiro João Carlos Freitas, membro da equipa do Secretariado Diocesano da Pastoral da Saúde.

Fê-lo precisamente para sublinhar que “neste dia de Nossa Senhora de Lourdes, colocamos de forma especial no coração de Deus, por intercessão de Maria, a Mãe de misericórdia, os doentes de todo o mundo e todos os que sofrem pelos mais diversos motivos”.

Desejou ainda que “este dia seja para nós um motivo de reflexão pelo dom da vida e da saúde e que Nossa Senhora de Lourdes nos alcance a graça de sermos proximidade e ternura de Deus junto da pessoa que sofre”.

De referir que esta Eucaristia contou com a presença de representantes de várias instituições regionais e locais, entre as quais o presidente da Assembleia Legislativa, o Secretário Regional da Saúde e Protecção Civil, a presidente do Conselho de Administração do SESARAM, o Diretor de enfermagem, o presidente da Câmara de Santa Cruz, o Comandante dos Bombeiros Sapadores de Santa Cruz, além de representantes de várias instituições ligadas à saúde.

E foi precisamente na pessoa do comandante dos Sapadores de Santa Cruz, a quem D. Nuno Brás entregou uma lembrança, que se “homenagearam todos aqueles que fazem o transporte dos doentes para o hospital, entre bombeiros, Cruz Vermelha”.