“Cristo vive e quer os jovens vivos”

Os símbolos da Jornada Mundial da Juventude iniciaram peregrinação na Diocese do Funchal

Os símbolos das Jornadas Mundiais da Juventude, a Cruz e o Ícone de Nossa Senhora, foram recebidos pelos jovens da Diocese do Funchal no passado dia 6 de maio, numa celebração realizada na paróquia da Visitação. Desde então, estes símbolos estão a passar por diversas comunidades paroquiais, escolas e outras instituições. 

Na homilia da Eucaristia de acolhimento, D. Nuno Brás, desafiou os jovens a “levantarem-se da cadeira”, “descruzarem os braços” e assumirem “verdadeiramente o seu papel de cristãos, de batizados”.

Neste domingo, 15 de maio, os símbolos estarão presentes no Arco da Calheta, pelas 15h30, na Eucaristia do Dia diocesano das Famílias, onde será realizada a benção de bodas matrimoniais. 

O padre Carlos Almada, delegado diocesano das Jornadas Mundiais da Juventude de Lisboa 2023 referiu à agência Ecclesia que a passagem dos símbolos pelos colégios e escolas “têm sido uma agradável surpresa, mesmo não tendo (a disciplina de Educação moral)”. Estes jovens não conheciam as JMJ, “só ouviram falar de festivais, e de repente um encontro com o Papa para dois milhões de jovens, onde se vive a alegria e se faz festa, tem sido uma surpresa, tem levado a muita curiosidade. Perguntam quando abrem as inscrições”.

“Se não temos multidões à espera, vamos ao encontro de pequenas multidões que não conheciam a Jornada. Sem vergonha montamos os símbolos, e (as pessoas) vão-se juntando. Os símbolos estão a cumprir o seu efeito, a sua missão. É esta a certeza que o COD do Funchal tem – que o nosso trabalho não tem sido em vão, mas realmente (procura) responder a um desafio do Papa – Cristo vive e quer os jovens vivos”.

Pedras Vivas 15 de maio de 2022 (A4)

Pedras Vivas 15 de maio de 2022 (A3)