Funeral do Pe. Eleutério: D. Nuno Brás agradeceu testemunho sacerdotal e de fidelidade à Igreja 

Foto: Duarte Gomes

Foi na igreja de São Sebastião, em Câmara de Lobos, que teve lugar a missa exequial do Pe. Eleutério Ornelas. A Eucaristia, presidida pelo bispo do Funchal, contou com a presença de vários padres, família e amigos do sacerdote falecido aos 79 anos.

Logo no início da celebração, D. Nuno Brás, enalteceu e agradeceu “a vida, o ministério, a sabedoria, o testemunho cristão e sacerdotal do Pe. Eleutério”.

Já na homilia, o prelado disse que esta celebração era um convite a reflectirmos sobre o amor e o acolhimento de Deus, de que nos falava o Evangelho que acabara de ser escutado. Um amor que constatou, é “melhor compreendido” por aqueles que “andam cansados e oprimidos, aqueles que já não têm mais nada nem ninguém”.

E, continuou, “a celebração das exéquias do senhor Pe. Eleutério é para nós um convite a olharmos a nossa vida, como apelo que Deus nos faz para caminharmos para Ele, para vivermos confiantes e seguros do Seu amor, para acolhermos Dele esta nova realidade”. 

Uma realidade que “Ele já agora começa a construir em nós, connosco e no meio de nós”. De resto, constatou, “o senhor Pe. Eleutério, perito nos estudos bíblicos, perito nos estudos clássicos, sempre foi testemunho desta realidade nova, muitas vezes no meio do sofrimento, muitas vezes no isolamento, muitas vezes não entendendo o quanto todos nós que aqui estamos e tantos, tantos outros, gostavam dele”.

Mas foi, disse D. Nuno Brás, “verdadeiramente este testemunho da procura do Reino, de fidelidade à Igreja, na procura do conhecimento, da sabedoria, da verdadeira sabedoria que ele foi para nós presença do amor de Deus”. Presença “deste Deus que nos ama e que persiste e insiste em estar connosco”.

O prelado terminou pedindo à assembleia, que enchia por completo a igreja, aliás a câmara disponibilizou um autocarro para os paroquianos do Jardim da Serra, onde o sacerdote foi pároco durante 22 anos, poderem estar presentes nesta última despedida, que “demos graças a Deus pela vida, pelo ministério sacerdotal do senhor Pe. Eleutério”. 

“E peçamos ao Senhor, para todos nós, esta coragem para cada um e todos de nos encaminharmos decididamente para esta cidade Santa, nova Jerusalém que Deus quer, definitivamente construir connosco e em nós, como obra prima do seu amor manifestado na morte e ressurreição de Jesus”.

Terminada a Missa Exequial, o funeral prosseguiu para o cemitério de Câmara de Lobos, sempre acompanhado por muita gente e por um ‘mar’ de flores.