Advento rumo ao Natal em ziguezague

D.R.

O Advento terminou, mas não o tempo de caminhar certo. Para onde, para quê, para quem? Alguns não querem saber. Caminham sem destino. Será que não sabem de onde vem? Espera-se que a cultura e a religião ajudem a conhecer o caminho certo. O Advento é tempo de ir ao encontro de Jesus. Ele chorou de pena: «que ao menos neste dia que te é dado, conhecesses o que te pode trazer a paz! Mas não, isso está oculto aos teus olhos» (Lc.19,41-44). O seu povo precisava de mudar de direção e recorrer aos sinais do caminho certo, como hoje. Infelizmente, muita cultura dá sinais enganosos. Apaga sinais certos e desvia para armadilhas de erro, sofrimento e perdição. Desde tempos recuados, os homens caminharam em ziguezague para corrigir direções ou errar mais. Já na Antiguidade as tradições e mitologias da Mesoptâmia, do Egito, gregas e latinas eram corrigidas por caminhos em ziguezague. Houve mudanças de direção pedidas por patriarcas, profetas e sábios à luz de narrativas do Alto, como se lê e medita no Advento. E no dobrar da História, de antes para depois de Cristo, muitos aceitaram as revelações bíblico-judaicas e, por fim, a voz do Batista, para endireitar e acertar os caminhos. Perguntam-lhe: e nós que devemos fazer? Como mudar? Dai uma das vossas duas túnicas e dai dos alimentos que vos sobram a quem não tem. Começaram a voltar o coração para Aquele Menino prometido que já veio, já cresceu. E vai batizar no Espírito e pegar na pá para separar o trigo da palha. 

Ao encontrar-se com esse Senhor da História, que a divide em dois longos tempos, muitos dobram novos ziguezagues para acertar a direção, abraçarem a metanoia da sua vida e deixarem-se atrair por aquela Pessoa que se proclamou “Caminho, Verdade e Vida”. Acertam o seu caminhar guiados pela consciência e pela convicção de fé nesse Alguém muito especial que os ama. Vão resistir às armadilhas de excessos, às amarras de prazeres desviados e às extravagâncias e caprichos enganosos. Juntam o ser bom ao fazer o bem como esse caminhante ensinou a quem o ouviu pelos caminhos da Palestina, há dois mil anos. Só esse encontro de amor com o totalmente bom é o objetivo válido da vida. Podem acertar o seu caminhar olhando os sinais e verbos de Deus-Menino registados pelos jornalistas e imitadores d’Ele, no I século. As palavras do Salvador, enviado por amor pelo Pai Nosso, Aquele que tira o pecado do mundo são guia seguro. Os que O seguem não se vão deixar afogar na mentira, hipocrisia e corrupção de algum ziguezague que ainda irão fazer.

 Apesar do memorial e presença de Jesus Cristo no meio da História, à vista de todos, muitos, no Ocidente, alguns mantém-se em erros contra a Verdade, cumprindo-se a profecia do velho Simeão à sua Mãe: este Menino está posto para ruína e salvação de muitos. E alvo de contradição (Lc. 2, 33-34). No meio de tão bom trigo cresceu também muito joio de indiferentismo, anti cristianismo e de anti Cristos. Contudo, o Advento, Natal e pós-Natal são convite a meditar que só Ele nos pode dar a paz. Além da pandemia aflitiva, de vacinas e remédios, sem consensos, não faltam sinais alarmantes de outras pandemias, não menos alarmantes, de corrupção avassaladora, abominações satânicas e violências mortais contra inocentes, refugiados abandonados à morte, crianças abortadas e pobres a morrer à fome —  a troco de lucros e corrução.  Infelizmente abundam os negacionistas e militantes anti Menino e o seu Natal, a única “vacina garantida”, mesmo para além da morte contra estas outras pandemias do mal.

  A Covid-19, avisa e obriga a mudar de estilos de vida poluída, mas alerta também para deixar   as mentiras dos deuses dinheiro, orgulho e prazeres fúteis contra a poluição da casa comum e a favor da vida integral proposta pelo Deus-Menino. Vida, porventura já mais integral em milénios passados. Somos todos convidados a continuar a clamar: vem Senhor Jesus, ajuda a nossa metanoia de mudança do coração para ir ao teu encontro. Que as boas tradições narrativas, o acerto das ciências com o saber dado aos homens, as filosofias e as teologias iluminadas pela sabedoria da tua Palavra feita Menino-Deus, carne e sangue, nos purifiquem e  curem.  Que o Salvador de todo o homem que vem a este mundo seja recebido por ti, leitor(a), por mim, e por todos os irmãos, filhos do Pai Nosso. Votos de uma boa caminhada par o Novo Ano. Abençoado Natal e Próspero Ano 2022!