Livro: Padre Simões apresentou “Recordar o passado é viver o presente”

Foto: Jornal da Madeira

Foi apresentado na passada sexta-feira, 10 de dezembro, no auditório do Museu da Casa da Luz, o novo livro do coronel capelão, padre António Simões, intitulado: “Recordar o passado é viver o presente”, Paulinas Editora. 

A apresentação contou com a presença do bispo do Funchal, D. Nuno Brás, que na ocasião manifestou que “estes livros do senhor padre Simões, antes de mais nada, são importantes como repositório de informações”, agradecendo o trabalho do sacerdote,  “muito obrigado, senhor padre Simões, continue sempre a fazer estas suas investigações”. 

Imagem de Nossa Senhora de Fátima

Por sua vez, o autor, chamou a atenção da assistência para a presença de uma imagem de Nossa Senhora de Fátima no palco do auditório. 

O padre Simões informou que essa imagem de Nossa Senhora fez parte da companhia 2570, que partiu da Madeira para o Ultramar. “Esta imagem é fruto da fé dos madeirenses que quando iam para a guerra tinham por questão levar uma imagem de Nossa Senhora do Monte”, mas também levavam imagens de Nossa Senhora de Fátima. 

“Os militares quando chegavam à Madeira entregavam as imagens às igrejas. Foi um grupo dessa companhia que foi entregar esta imagem à Sé”, disse o coronel capelão. 

Essa imagem esteve na Sé e depois foi para a capela da casa de retiros do Terreiro da Luta, onde há uns anos foi identificada, “a imagem tinha a chapinha com o nome da companhia, estava gravado”, referiu o padre Simões.

Depois de restaurada, a imagem foi colocada no museu do RG3 e uma réplica, feita em Vila do Conde, foi colocada na casa de retiros do Terreiro da Luta. 

Para assinalar os 50 anos da chegada à Madeira destes militares madeirenses, a companhia 2570 vai promover no dia 7 de outubro do próximo ano, uma cerimónia que vai trazer em procissão a imagem de Nossa Senhora de Fátima desde a igreja do Colégio até ao cais do Funchal. No dia seguinte, haverá uma celebração de acção de graças, presidida pelo bispo do Funchal, na Sé, pelas 11 horas.

Conteúdo do livro

A apresentação do novo livro foi feita pelo jornalista Manuel Gama, que recordou que esta é a quinta obra do padre Simões. 

“Na primeira parte, os capítulos primeiro e segundo são dedicados aos sacerdotes que tomaram parte no 5º e 6º curso de formação para capelães militares realizados à 50 anos na Academia Militar de Lisboa, portanto, em 1971, a celebrar atualmente as bodas de ouro. O 5º curso realizou-se desde 19 de abril a 26 de maio, e o 6º curso de 20 de setembro a 23 de outubro de 1972”, disse Manuel Gama. Nestes dois cursos participaram 48 sacerdotes. 

Na segunda parte do livro, é apresentada uma investigação que apresenta 41 oficiais generais madeirenses entre os anos 1820 e 2020.

No capítulo quarto, da segunda parte, o autor apresenta um estudo sobre doze madeirenses “que foram chamados aos mais altos cargos do ministério sacerdotal: bispos, arcebispos, e cardeais”.

O padre António Simões conta já com outros quatro livros publicados: O capelão militar (2017), O padre capelão (2018), As obras de misericórdia na pastoral militar (2019), As virtudes humano-cristãs para um mundo melhor (2020).