Será canonizada a Beata Maria Rivier, fundadora das Irmãs da Apresentação de Maria

D.R.

O Papa Francisco aprovou esta segunda-feira, dia 13 de dezembro, a promulgação do decreto que autoriza a canonização da religiosa francesa, Maria Rivier.

O decreto foi aprovado durante a audiência concedida ao Cardeal Marcello Semeraro, Perfeito da Congregação para a Causa dos Santos. 

“Uma vida marcada pelo sofrimento e pela caridade a de Maria Rivier, que em breve será santa”, escreve o jornal do Vaticano recordando que aos 16 meses Maria Rivier sofreu uma queda que lhe vai impedir de andar e dificultar o crescimento. Só aos 9 anos conseguirá recuperar totalmente. “A doença lhe dá uma intuição: dedicar o resto de sua vida a Deus”. 

Maria Rivier, nasceu a 19 dezembro de 1768 em Montpezat-sous-Bauzon, França. Após receber a sua primeira comunhão sente o desejo de se consagrar ao Senhor. Aos dezassete anos, pede para entrar na Congregação das Irmãs de Nossa Senhora de Pradelles, mas o seu pedido foi recusado devido ao seu frágil estado de saúde.

Decidiu então abrir uma escola numa casa pertencente às irmãs dominicanas, onde se dedicou ao cuidado das meninas pobres.

A 21 de novembro de 1796, festa da Apresentação de Maria no Templo, em pleno contexto da Revolução Francesa, Maria Rivier e quatro companheiras consagram-se a Deus. Cinco anos depois, o bispo de Vienne aprova as regras provisórias. Maria Rivier é confirmada como superiora e doze religiosas são consagradas. Nasce assim a Congregação das Irmãs da Apresentação de Maria que, em poucos anos, vai abrir 46 casas. 

Maria Rivier morreu a 3 de fevereiro de 1838 em Bourg-Saint-Andéol, França. Nesse momento a Congregação contava com 300 religiosas espalhadas em 141 centros. 

São João Paulo II realizou a sua beatificação a 23 de maio de 1982.

O milagre atribuído à sua intercessão, reconhecido pelo Papa Francisco, nesta segunda-feira, ocorreu em 2015 nas Filipinas, com uma menina recém-nascida que sofria de “hidropisia embrio-fetal generalizada precoce não imunológica”.