A passagem da morte e do morrer

D.R.

Para completar o mais alto sentido
Lembro a passagem do viver a morrer,
E as pessoas de coração em dor partido
À espera do meu importante dizer.

Pai, perdoa-me, perdoa aos irmãos:
Sou, somos filhos Teus, neste morrer,
A lembrar nossa vida nas Tuas mãos.
O Rosto não me ocultes; vem socorrer.

Dá-nos a Mãe do Teu Filho, agora;
Como já mil vezes rogámos com rosas:
Entrega-Lhe os teus filhos nesta hora
E faz da morte lágrimas gozosas.

Para estar hoje Contigo na Vida de Além
Diz à Mulher-Mãe- Rainha das doze estrelas
Que venha levar-nos ao colo, em Bem,
Ao divino Shalom, jardim de flores belas.

Perfeita fica a chave da vida que abracei,
Já oiço chamar: podes passar adiante;
Já posso dizer: morte, minha irmã, ei!
Dá-me passagem à Festa triunfante.

Funchal, Dia de Fiéis Defuntos, 2 de novembro de 2021