D. Nuno Brás apresentou Programa Pastoral e disse que sinodalidade será a palavra chave deste ano

Foto: Duarte Gomes

O bispo do Funchal, D. Nuno Brás, apresentou este sábado, dia 25 de Setembro, o Programa Pastoral para a Diocese para 2021/2022, o qual aposta sobretudo em “fomentar as estruturas de participação laical na vida as comunidades cristãs e reanimar a participação dos leigos nos diversos serviços paroquiais”.

“O programa pastoral da Diocese do Funchal tem o objetivo de organizar uma jornada de formação para os Leigos e incentivar o trabalho pastoral em conjunto entre as diversas paróquias e entre os sacerdotes”, destacou o prelado na apresentação do documento intitulado «Uma Igreja sinodal: comunhão, participação e missão»,  aos representantes dos Secretariados, Movimentos e Obras Lacais, bem como a todos os fiéis interessados.

Depois de referir “que neste trabalho os movimentos, os secretariados e as paróquias são essenciais. D. Nuno Brás defendeu a importância “sobretudo de movimentos laicais de espiritualidade cristã”, porque “eles são uma riqueza do Espírito Santo e uma presença de Jesus Cristo, que nos alarga os horizontes”. É com todos eles que D. Nuno Brás disse “contar” para vivermos este caminho de sinodalidade”.

De resto, D. Nuno Brás afirmou que a partir do dia 17 de outubro, sem esquecer o caminho que a diocese tem estado a fazer de aprofundamento do conhecimento de quem foi São Tiago Menor, cujas relíquias chegam à Diocese a 17 de Outubro, “a palavra de ordem para este ano pastoral é sinodalidade”.

“Aprender o que é isto de caminhar em conjunto, uns com os outros, mas sem esquecer o caminho que é Jesus Cristo”, disse a propósito o prelado, para logo acrescentar que “não se trata de percorrer um caminho qualquer, de inventarmos um caminho, porque é com Ele e por meio Dele que havemos de caminhar uns com os outros de tal forma que ninguém se perca ou fique para trás”.

O prelado explicou ainda que “a sinodalidade a que o Papa Francisco nos chama, expressão do «caminho comum» que percorremos, realiza-se na escuta da Palavra, na celebração da Eucaristia, na fraternidade da comunhão, na co-responsabilidade e participação de todos na vida e missão da Igreja”.

Jornada de formação laical

Em termos práticos, D. Nuno Brás explicou que este programa se deverá traduzir a nível paroquial na criação e estimulação de “estruturas de participação laical na vida das comunidades cristãs, em particular os Conselhos Económicos e os Conselhos Pastorais paroquiais”, procurando “reanimar a participação dos leigos nos diversos serviços paroquiais”.

A nível dos arciprestados, pede D. Nuno Brás, que o trabalho pastoral em conjunto, “entre as várias paróquias e entre os sacerdotes” seja estimulado e propõe a organização de uma Jornada de Formação Laical.

Para a diocese, o bispo aposta na divulgação do beato Carlos de Áustria, “enquanto exemplo de leigo que viveu em família a vocação à santidade”.

D. Nuno Brás lembrou ainda que, como pedia o Papa, já foi constituída uma comissão diocesana de acompanhamento dos trabalhos do Sínodo dos Bispos de 2023, “que promoverá os trabalhos que a Santa Sé pediu à diocese, apresentará os resultados, e animará a dinâmica dos trabalhos sinodais”.

O responsável pela diocese do Funchal considera necessário “favorecer a acção e divulgação dos diferentes movimentos laicais de espiritualidade cristã”.

“Com a urgência do amor, os cristãos da diocese do Funchal são chamados a deitar pés ao caminho e a partilhar com a humanidade a Boa Notícia de que são portadores, ao mesmo tempo que oferecem um novo horizonte à vida humana, procurando tornar presente na história o Céu que é Cristo, e no qual os santos gozam da contemplação do rosto do Pai”, finalizou.

Os trabalhos deste dia, que se iniciaram com a intervenção do bispo do Funchal sobre «Uma Igreja sinodal: comunhão, participação e missão», prosseguiram com uma breve apresentação de cada um dos 24 movimentos presentes e referência a algumas das suas atividades, que serão oportunamente divulgadas pela nosso jornal, e a apresentação de algumas actividades do calendário diocesano que, tal como o programa foi disponibilizado aos presentes, podendo ser também consultado no site da diocese em https://www.diocesedofunchal.com/l/plano-pastoral-diocesano-2021-2022/.