Vulcão em La Palma

D.R.

Desde que começou a erupção vulcânica em La Palma, no domingo de 19 de setembro, a sua população assiste impotente à destruição da paisagem dessa ilha do arquipélago das Canárias. À medida que a lava desliza sobre os núcleos habitacionais, vai sepultando casas, estabelecimentos, praças e ruas, deixando à sua passagem um negro amontoado rochoso. O que várias gerações construíram, é destruído em apenas alguns minutos pelo vulcão “Cumbre Vieja”, diante do olhar incrédulo dos habitantes. Mais de 350 famílias já perderam as suas casas.

Uma das paróquias que lentamente está a desaparecer é a de Todoque. Diante do rasto de destruição, o pároco local, padre Alberto Hernández, em colaboração com a Cáritas, está a coordenar uma listagem de casas disponíveis para as famílias. Para este sacerdote, a prioridade é encontrar alojamento para os que perderam as suas casas e oferecer-lhes um lugar para viver.

“São pessoas humildes, simples e trabalhadoras. Existem agricultores, artesãos e alguns funcionários. Muitos construíram as casas com as próprias mãos”, afirmou.

O pároco indicou que alguns dos afetados “estão em choque”, diante da perda total dos seus bens. Os que não perderam a casa ainda têm esperança de recuperar alguma coisa, mas vivem na incerteza. Este momento trouxe à tona “o melhor de nós mesmos”. Disse, acrescentando, “a generosidade do povo me impressionou”.

O sacerdote fala com gratidão de uma “onda de generosidade”. Nestes dias referiu que tem recebido telefonemas de muitas pessoas, particularmente daqueles que alugam casas para turismo, a disponibilizar casas às vítimas “sem pedir nada em troca”.

“A paróquia, por enquanto, está de pé. A lava que ontem à noite era um pouco mais ameaçadora não parou, mas está a avançar muito devagar e dá a impressão que está a arrefecer. Agora, a que está mais activa, é outra que passa mais ao sul. Há um pouco de esperança de que o templo, os arredores da praça e as casas que ali estão, possam ser salvas”, considera o sacerdote.

Na segunda-feira, dia 20, a igreja paroquial de São Pio X foi evacuada em apenas 20 minutos. O padre Alberto conseguiu salvaguardar o sacrário e as imagens sagradas e levá-las para a paróquia de Santo Isidro, em La Laguna. “Agora só nos resta rezar”, disse.

Este sacerdote adianta que “o comentário que se repete muito nos últimos dias entre aqueles que perderam tudo é que preservam as suas vidas. Eles não perderam nenhum membro da família, nem morreu ninguém, felizmente. Coisas materiais serão recuperadas quando for possível, mas a vida é o que se valoriza neste momento ”.