Que meta para o nosso caminho?

D.R.

Um destes dias escutei a um amigo a frase: “para barco sem rumo, não há vento favorável”. Quer dizer: um barco que esteja no mar mas não saiba para onde ir, encontrará sempre vento contrário; só o barco que tem um destino pode encontrar vento que o ajude a chegar à meta.

Muitas vezes, nós, cristãos, nos queixamos de que os tempos de hoje são diferentes; de que tudo é adverso à fé; de que nada concorre para o seu crescimento. Ou seja: queixamo-nos de que os ventos do nosso tempo são todos contrários à vida da fé.

Isso poderá ser verdadeiro. Poderemos estar num tempo em que Deus é completamente esquecido nas diversas dimensões da existência. Mas será que a questão está exclusivamente no nosso tempo, no nosso modo de viver contemporâneo, ou será que a questão não é também nossa?

É que, tantas vezes, também nós, cristãos, parece não termos rumo certo. Parece que não temos claro o nosso destino, a meta do nosso caminhar.

É de Jesus a afirmação: “Eu sou o caminho, a verdade e a vida” (Jo 14,16). Jesus apresenta-se aos seus discípulos como o caminho a percorrer; a verdade com a qual caminhar; e a meta para onde nos dirigirmos. O mesmo é dizer: o rumo do nosso barco, a nossa meta, é a vida com Cristo, a identificação perfeita e plena com Ele, a vida eterna.

Para aqueles que têm claro esse destino, muitas serão hoje as contrariedades; mas sempre será capaz de descobrir ventos que o ajudem a caminhar.