Missa campal assinala festa da Mãe de Deus

Foto: Sílvio Mendes

No segundo domingo de julho realiza-se a festa em honra de Nossa Senhora com o título de Mãe de Deus. Decorre na capela da Mãe de Deus, construída em 1536 e que, na Madeira, é um dos mais antigos templos dedicados a Nossa Senhora. Situa-se na freguesia do Caniço.

A sua construção é simples e está classificada como Imóvel de Interesse Público.

A festa deste ano será apenas a nível litúrgico sendo celebrada     missa campal no domingo 11 de julho às 17 horas.

As novenas de preparação para aquela celebração estão a decorrer às 20 horas, naquele templo que se integra na paróquia da Assomada.

No dia 1 de janeiro a Igreja celebrada a Solenidade da Mãe de Deus.

A contemplação do mistério do nascimento do Salvador tem levado o povo cristão, não só a se dirigir à Virgem Santa como Mãe de Jesus, mas também a reconhecê-la como Mãe de Deus. Essa verdade foi aprofundada e compreendida como pertencente ao património da fé da Igreja, já desde os primeiros séculos da era cristã, até ser solenemente proclamada pelo Concílio de Éfeso no ano 431.

Um antigo testemunho escrito no século III, refere que os cristãos do Egito dirigiam-se a Maria com esta oração: “Sob a vossa proteção procuramos refúgio, santa Mãe de Deus: não desprezeis as nossas súplicas, que estamos na prova, e livrai-nos de todo o perigo, ó Virgem gloriosa e bendita” (da Liturgia das Horas). Neste antigo testemunho a expressão Theotokos, “Mãe de Deus”, aparece pela primeira vez de forma explícita.

No segundo século IV, o termo Theotokos já é de uso frequente no Oriente e no Ocidente. A piedade e a teologia fazem referência a esse termo, já entrado no património de fé da Igreja.