A Filosofia como perseguidora da religião?

D.R.

Ludwig Andreas Feuerbach, nascido na Alemanha no início do século XIX, começou por estudar teologia em Heidelberg, mas tendo conhecido Hegel, filósofo conterrâneo e contemporâneo, abandono os seus estudos para seguir a ciência do pensamento. Preparava-se para uma carreira universitária, a qual vê rejeitada em consequência da publicação dos seus “Pensamentos sobre a morte e a imortalidade”, onde nega a imortalidade da alma humana. Após um casamento de sucesso dedicou-se à escrita e a fazer conferências. Das suas principais obras destacam-se “ Os princípios fundamentais da filosofia do futuro” e “A essência do cristianismo”, onde defende que «O homem será feliz somente quando tiver morto o Cristianismo que o impede de ser homem. Mas não será através de uma perseguição que se irá matar o Cristianismo, pois que a perseguição o alimenta e o reforça. Será através da irreversível transformação interna do Cristianismo num humanismo ateu com a colaboração dos próprios cristãos, guiados por um conceito que nada terá a ver com o Evangelho».

Considerado por alguns como um dos mais notáveis filósofos do século XIX, influenciado por Hegel, cujo pensamento viria a rejeitar, Feuerbach torna-se mais tarde influenciador de Marx, sendo ambos ateus e inimigos viscerais da religião. O caracter ideológico do pensamento marxista impõem-se nestes autores como forma materialista de substituição da religião, nomeadamente de tradição judaica e cristã.

Como um iluminado da consciência religiosa, descobrindo em si o seu próprio ser e infinitude, substituindo o transcendente pelo imanente, o autor d´A essência do cristianismo profetiza que o homem é um Deus para o homem, alterando os termos, defende que “Deus-Homem ”passará a ser “Homem-Deus”.

A inversão do sistema hegeliano, transformado de idealismo em materialismo, a substituição de Deus pela espécie humana reflectiu-se de modo decisivo na obra de Karl Marx, que esmeradamente a aplicou, pois considerava necessário abolir a ideia de Criação, negando a cadeia de pais-filhos e colocando no seu lugar o movimento circular homem-natureza, quer dizer, o homem produtor de si próprio.

O que pretendia ser um plano ideológico ou filosófico para acabar com o cristianismo, acabou por se implementar politicamente, no ocidente. 

Será que Feuerbach profetizou? Ou simplesmente foi mais um profeta da desgraça, como muitos outros que desde o século XIX, até aos nossos dias, foram surgindo, atribuindo-se-lhes uma excessiva relevância política e mediática?

Filosofia e Teologia não estão ao mesmo nível, porém, teorias elaboradas e destrutivas da condição humana e de toda a essência que permeia o Homem, não passam de meras ideologias onde falecem as raízes da Verdade para se poderem sustentar.