D. Nuno Brás: “Portugal não se consegue compreender sem o Evangelho”  

Foto: Duarte Gomes

O bispo do Funchal presidiu no passado sábado, dia 15 de maio, a uma Eucaristia na Sé do Funchal, com a qual a Real Associação da Madeira e do Porto Santo assinalou o aniversário de D. Duarte, Duque de Bragança.

Uma oportunidade para D. Nuno Brás sublinhar que “Portugal não se consegue compreender sem o Evangelho”, porque Portugal “nasce verdadeiramente cristão”. De resto, assegurou o prelado, “é o cristianismo que lhe dá forma, o cristianismo que inspira as suas leis, o cristianismo quem inspira o seu modo de viver”.

Daí a necessidade de, “também nós, sermos evangelizadores, porque se esta preocupação por transmitir o evangelho, se esta preocupação por fazer com que o evangelho se torne vida desaparece, desaparece também este ambiente cristão, este modo de viver cristão e desaparece também a identidade nacional”. Se assim acontecesse, frisou D. Nuno Brás, “muitos ficariam privados de conhecer a boa de Jesus Cristo”.

Daí o apelo, a terminar a reflexão, para que “o Senhor nos ajude a sermos, como diz o Papa Francisco, discípulos missionários”, que anunciam, mostram e são testemunhas do Evangelho.

“Peçamos também ao Senhor pela nossa Pátria, para que ela continue a viver este ambiente de fé, este ambiente cristão que faz toda a diferença, não apenas em termos de instituições, mas diferença para cada um de nós poder viver, assimilar mais facilmente a própria fé”, apelou D. Nuno Brás, neste dia em que “damos graças pelos 75 anos de vida do sr. Duque de Bragança”.

“Que a nossa pátria, que nossa terra continue a respirar os princípios do Evangelho e que a nossa terra continue a ser uma terra onde todos se possam sentir e rever verdadeiramente como filhos de Deus”, concluiu.

Nesta Eucaristia, em que marcaram presença membros da Real Associação, mas também um representante da Assembleia Legislativa e outro do Governo Regional, rezou-se ainda pela Família Real de Portugal, neste que era o Dia Internacional da Família.