S. José de Cluny: D. Nuno benzeu fardas dos futuros enfermeiros e lembrou-lhes a importância do amor

Foto: Duarte Gomes

O bispo do Funchal presidiu na tarde de sexta-feira, dia 7 de maio, a uma Eucaristia na Escola Superior de Enfermagem São José de Cluny. Uma ocasião para D. Nuno Brás falar aos futuros enfermeiros sobre “uma realidade à volta da qual gira toda a nossa vida, uma realidade que se chama amor”. 

O amor, explicou o prelado, “é precisamente quando eu sou capaz de perceber que o outro é alguém que merece tanto que me faz esquecer de mim e que eu só sou com ele”.  

“Claro que os conhecimentos científicos são muito importantes, e todas as outras realidades sem as quais nós também não conseguimos viver são todas muito importantes, mas sem o amor parecemos um cadáver”, frisou o bispo do Funchal. 

De resto, disse, era disso mesmo que nos falava Jesus no Evangelho quando dizia que “Ninguém tem maior amor do que aquele que dá a sua vida pelos seus amigos”. Esta é, frisou D. Nuno Brás, “a medida do amor e a medida da vida, embora nós tenhamos o hábito chato de acharmos que nós é que somos a medida e que aquilo que nós sentimos, aquilo que nós vivemos é a medida e que os outros têm de se contentar com a nossa medida”.  

“A cruz é a medida do amor. Quando Deus se esquece de si próprio para nos dar a vida a nós, esta é medida do amor”, explicou ainda D. Nuno Brás para logo acrescentar que “não podemos deixar de nos confrontar com esta realidade”. 

Outra coisa que Jesus nos dizia no Evangelho era que “vós sois meus amigos, se fizerdes o que Eu vos mando”. E a Jesus é possível mandar porque, lembrou D. Nuno, “Ele viveu o amor na medida máxima e dá-nos a oportunidade de como Ele vivermos o amor também na medida máxima”. 

Foram estas “pistas”, que D. Nuno Brás quis deixar aos futuros enfermeiros, para que pensem e meditem nelas ao longo do curso, que certamente vai ter momentos bons e outros menos bons, mas que todos fazem parte e não podem fazer esquecer o principal que é “este milagre da vida que acaba por ser este milagre de Deus connosco”. 

No final desta celebração, em que procedeu à bênção das fardas, D. Nuno Brás voltou a sublinhar a excelência da Escola de São José de Cluny, “uma das melhores, senão mesmo a melhor do país”, facto que resulta da qualidade do corpo docente, mas também dos alunos.    

Daí o desejo de que “sejam excelentes alunos” e excelentes “não só no estudo, mas também em termos de entreajuda, de quem quer colaborar, de quem quer estar, de quem se ajuda uns aos outros a ser melhor e a ser mais”, aceitando “caminhar com Jesus Cristo, o que não é fácil, como não são fáceis as coisas boas da vida”. 

Quanto às fardas agora benzidas, D. Nuno Brás lembrou que “a farda significa esta atitude de serviço, mas também segurança porque os doentes olham para vocês e pensam: graças a Deus tenho aqui alguém que sabe. Orgulhem-se dela, façam por merecê-la e façam por estar próximo dos doentes e uns dos outros”, concluiu.