D. Nuno Brás e Miguel Albuquerque visitaram obras na Sé 

Foto: Duarte Gomes

O bispo do Funchal acompanhou na manhã desta quarta-feira, dia 21 de abril, uma visita que o presidente do Governo Regional efetuou, na companhia de outros membros do executivo, às obras de conservação e restauro dos tetos mudéjares da Sé.

No final da visita Miguel Albuquerque sublinhou que esta é “uma obra importantíssima de requalificação do património edificado da Região”. Recordou ainda que esta requalificação tem sido desenvolvida em diversas fases, tendo se iniciado com recuperação da torre sineira… Depois, em 2014, foi todo o cadeiral e o altar-mor, bem como o retábulo”.

Relativamente às obras de recuperação dos tetos mudéjares da catedral madeirense, orçadas em 1,160 milhões de euros, o governante explicou que «está concluída o teto da nave norte, estamos a ultimar a nave sul e iniciámos já a reabilitação requalificação de todo o teto da nave central».

O governante adiantou ainda que foi já lançada a empreitada final para a requalificação e iluminação de toda a Sé, concluindo-se aí “uma obra decisiva e muito importante na reafirmação e salvaguarda do nosso património edificado que, no caso da Sé, é Monumento Nacional e é uma obra ligada à nossa história e à história da Expansão Portuguesa”.

«Estamos muito satisfeitos, porque é uma obra decisiva, muito importante na salvaguarda do nosso património edificado. No caso da Sé, trata-se de um monumento nacional, uma obra ligada à nossa História e da nossa expansão marítima», disse.

Já D. Nuno Bás sublinhou a importância destas obras, assim como das que decorrem no Convento de Santa Clara, que também já foram por si visitadas.

“A Catedral e o Convento de Santa Clara fazem parte daquilo que é o património dos madeirenses”, sendo “edifícios de referência também para qualquer turista que nos visita”.

Por isso, frisou o prelado, “é importante que nós tenhamos esta possibilidade de ter um património cultural, que neste caso é um património religioso também, por forma a podermos acolher e a mostrar àqueles nos visitam como a Madeira foi e é, mas também para nós próprios tomarmos consciência de quem somos, da nossa identidade como povo, como madeirenses”.

Assim sendo, “esta é uma obra importante para a Igreja, mas é sobretudo uma obra importante para a Região”, disse D. Nuno Brás, para quem “a identidade do madeirense não se entende sem estes monumentos culturais, que são de cariz religioso”.

No início desta visita, D. Nuno Brás teve ocasião de oferecer ao presidente do Governo Regional um livro da sua autoria sobre São Tiago Menor. Uma obra que surge integrada nas celebrações dos 500 Anos da escolha de São Tiago como Padroeiro da Diocese, cuja apresentação ainda não tem data marcada.