Santa Cecília: D. Nuno diz que cristãos têm de aprender a responder com amor ao amor de Deus 

Foto: Duarte Gomes

D. Nuno Brás esteve este domingo, dia 14 de março, na paróquia de Santa Cecília, onde presidiu à Eucaristia das 9:30 horas. Uma oportunidade para o prelado lembrar à comunidade, e a todos os cristãos da Diocese, que ser cristão “é aprender a responder com amor ao amor que Deus nos tem”.

Numa homilia centrada na ideia da salvação de que, de resto, nos falavam as leituras deste domingo, D. Nuno Brás explicou que “Deus quer salvar a humanidade inteira, como seu povo, apesar de todos os problemas que existem, apesar de todas as dificuldades”, mas quer também “salvar a cada um de nós”. 

E Deus quer salvar-nos mesmo sabendo que somos pecadores, frisou o prelado, para logo sublinhar que “Deus não desiste de ti, nem de ti nem de ninguém e a história que Deus faz contigo é precisamente uma história de salvação”. 

Referindo-se em concreto ao Evangelho, D. Nuno Brás explicou que ele continha a resposta ao porquê de Deus nos querer salvar e fazer história com cada um de nós. A resposta, disse, é porque “Deus te ama: Deus amou tanto o mundo que lhe deu o seu filho unigénito”. E “quando Deus ama, ama. E faz tudo aquilo que está ao seu alcance para nos convencer a responder com amor”.   

É essa resposta que, de resto, define de alguma forma a vida cristã: “A nossa vida cristã é aprendermos a responder com amor ao amor que Deus nos tem. É para isso que serve o Batismo, a catequese, a Primeira Comunhão, a Profissão de Fé, o Crisma, o Casamento, a vida em família, é para isso que serve toda a nossa vida, para aprendermos a responder com amor ao amor que Deus nos tem” e para “sermos capazes de perceber que se Deus me tem tanto amor, eu não posso ficar de braços cruzados”. 

E a salvação, disse ainda o prelado, é “salvar alguém da morte” e é isso que Deus faz. Ele “salva-nos para nos poder dar a sua vida, para podermos viver com Ele a nossa vida, mas também a vida de Deus”. Uma vida que “precisa de crescer, de ser cada vez maior e que não termina, é vida eterna”. 

Terminando a sua reflexão o prelado desejou “ânimo e coragem” a todos os cristãos, lembrando que “nesta Quaresma somos convidados a aprender o amor de Deus e a deixar que aquilo que em nós é pecado se transforme em amor”. E tudo isso é possível, garantiu, porque “Deus nos acompanha, vive connosco, faz história connosco”. 

“Num momento de silêncio, peçamos ao Senhor que Ele nos ajude a corresponder com amor ao amor grande que Ele nos tem. E que Ele nos ajude a viver não como mortos, mas como vivos, verdadeiramente vivos com Deus e para Ele”, concluiu. 

No final da celebração coube ao Pe. Paulo Sérgio, pároco de Santa Cecília, agradecer a D. Nuno Brás pela visita àquela comunidade que “o acolhe com muita alegria” e tem as portas sempre abertas para o receber.  

O pároco aproveitou ainda para agradecer o “voto de confiança” do bispo do Funchal, ao tê-lo nomeado para estar à frente dos destinos daquela comunidade.