Parar, pensar e rezar!

D.R.

“ O homem, esmagado pelas suas ocupações, com tudo se ocupa menos com viver” Séneca

A cadência dos nossos dias tornou-se vertiginosa. Enredados num conjunto de obrigações, compromissos sociais e culturais, trabalho, família e amigos, não esquecendo os imprevistos que também nos batem à porta, sentimos o sufoco e o peso do stress, percebemos que abrandar o ritmo era o aconselhado mas, aparentemente, impossível. Todavia, é nestas circunstâncias, que mais imperioso se torna – Parar, pensar e rezar.

Pensar na nossa vida tão dinâmica e agitada, cheia de coisas e, por vezes, tão vazia e sem sentido; parar, procurar um pouco de silêncio e paz longe do bulício do quotidiano, longe da materialidade e do consumismo que nos amarra e empobrece, para equacionarmos o que está bem ou importa mudar.

Parar enquanto é tempo, arrumar as ideias, pensar no futuro e preparar a eternidade.

“ E passam os anos sem que nos dêmos conta, como se fossem estações em que o comboio não pára” R. Knox 

A cultura materialista que se desenvolveu e a morte de Deus por decreto filosófico, projectaram o homem num vazio existencial, sem profundidade sobrenatural, que lhe tira toda a beleza da presença divina na vida dos homens e no mundo.

“ Todos nós experimentamos, quase palpavelmente, os tristes efeitos desta sujeição cega ao mero “consumo”: antes de tudo, uma forma de materialismo crasso; e, ao mesmo tempo, uma insatisfação radical, (…) porque quanto mais se tem mais se deseja, enquanto as aspirações mais profundas restam insatisfeitas, e talvez fiquem mesmo sufocados” João Paulo II

Mas, porque tudo o que existe no mundo é bom, há que saber usar da nossa liberdade para usufruir dos bens terrenos sem abdicar da complementaridade divina que lhe preside, assiste e dá sentido.

“ As pessoas, geralmente, têm uma visão plana, pegada à terra, de duas dimensões. – Quando a tua vida for sobrenatural, obterás de Deus a terceira dimensão: a altura. E, com ela, o relevo, o peso e o volume” S. Josemaria Escrivá

Nesta busca da terceira dimensão -Deus, o que importa é falar com Ele, em silêncio e oração, como dois amigos que se encontram para falarem um com o outro e contarem alegrias e tristezas, preocupações e desilusões, expectativas e projectos, falar de tudo o que vai na alma. Afastar-se do mundo e rezar, uns dias longe de tudo em Retiro Espiritual.

“Pôr ordem no mundo sozinhos, sem Deus; contar apenas com as próprias capacidades; reconhecer como verdadeiras apenas as realidades políticas e materiais e deixar de lado Deus, como uma ilusão, tal é a tentação que de múltiplas formas nos ameaça”. Joseph Ratzinger

Uns dias de retiro ajudam a serenar numa atitude de silencia interior e exterior, acompanhados connosco e com Deus.

“Numquam minus solum quam cum solus – Nunca estou menos só do que quando estou só” Cícero

Fechar as portas dos sentidos, esquecer as preocupações, dar prioridade à actividade interior, ao exame de consciência, à reflexão pausada sobre a nossa vida, feita na presença de Deus.

“ Começo sempre a rezar em silêncio, porque Deus fala no silêncio do coração. Deus é amigo do silêncio: necessitamos de escutar Deus, porque o que importa não é o que cada um de nós diz, mas o que Ele nos diz e nos transmite” Teresa de Calcutá

O benefício de uns dias de retiro bem aproveitado, os seus frutos, virão espontaneamente e com eles a graça de Deus. A nossa vida melhora, a nossa atitude face aos outros também e a visão plana e a preto e branco ganha uma terceira e colorida dimensão, a única que lhe pode dar sentido. 

 “ Ouve! Deixa por um momento as tuas ocupações habituais, entra por um instante dentro de ti mesmo, longe do tumulto dos teus pensamentos. Lança para longe de ti as preocupações que te esgotam. Dedica algum tempo a Deus e descansa, mesmo que seja só por um momento, na sua presença. Entra nos aposentos da tua alma: exclui tudo, menos Deus e o que possa ajudar-te a procurá-Lo. Assim, fechadas todas as portas, vai atrás d´Ele. Diz a Deus: Senhor, procuro o teu rosto, desejo ver o teu rosto” S. Boaventura

Fazer retiro é abrir uma janela no tempo e contemplar a paisagem que nos espera depois da vida, é perspectivar o além, é ligar o nosso mundo ao mundo sobrenatural onde está o ar puro, sereno e doce da eternidade.