Samaritano de chuteiras

Keita Baldé, jogador do Sampdória | D.R.

Um vídeo sobre a situação dos trabalhadores sazonais, recrutados temporariamente para a apanha da cereja em Espanha, despertou no ano passado a atenção de um jogador de futebol. 

200 trabalhadores migrantes estavam a dormir nas ruas de Lérida, Catalunha, durante o confinamento total de maio de 2020, sem alimentação e sem vestuário. Devido à situação irregular em que estes trabalhadores senegaleses se encontravam, não podiam fazer valer os seus direitos junto dos empresários, que os exploraram e os abandonaram à sua sorte. 

Keita Baldé, de 25 anos, atual número 10 do clube de futebol italiano Sampdória, ficou em choque quando viu o vídeo no Instagram. Não podia ignorar essa situação. “Era certo que ia fazer alguma coisa, mas não sabia o que fazer ou como fazer, só não podia ficar quieto no sofá”, relatou a um jornal na segunda-feira passada.

Com o título “Os 200 irmãos de Keita Baldé, o jogador samaritano”, o jornal “El País” conta como este futebolista estendeu a mão a duas centenas de trabalhadores temporários. Pagou comida, ofereceu roupa e alugou uma prédio para os acolher.

Filho de pais senegaleses, Baldé nasceu em Espanha a 8 de março de 1995. Recebeu formação na academia do Barcelona e em 2017 foi contratado pelo Mónaco. 

Todas as semanas enviava dinheiro para que estas 200 pessoas tivessem alimentação e ofereceu-lhes roupas que tinha em Barcelona. “Eram roupas novas, com a etiqueta. Eu tinha uma marca que depois fechei e ia mandá-las para a África”, refere. 

O mais difícil foi encontrar um alojamento. Apesar de garantir o pagamento antecipado, nenhum hotel os quis receber. Mas não desistiu do seu propósito. Na sua memória guardava a imagem do chão de casa coberto de colchões, onde o seu pai acolhia os sem-abrigo, “quando o vês, fica contigo”, partilha. 

O avançado Keita Baldé vê com preocupação a próxima temporada da apanha da fruta, que começará em maio. “Que fazemos? Rezamos para que apareça outro Keita?”, questiona, deixando uma interpelação, “o que aconteceria se eu não tivesse visto esse vídeo?”.