Mensagem de Natal do Papa: “Precisamos mais do que nunca de fraternidade” (Pedras Vivas 27.12.2020)

No dia de Natal, o Papa Francisco concedeu a tradicional benção “Urbi et Orbi” (à cidade de Roma e ao mundo), enviando uma mensagem, especialmente para os países e às regiões que estão a atravessar maiores dificuldades. A mensagem que habitualmente é feita da fachada da Basílica de São Pedro, este ano, devido às restrições impostas pela pandemia, foi realizada na Sala das Bênçãos do Palácio Apostólico do Vaticano. 

“Neste momento histórico, marcado pela crise ecológica e por graves desequilíbrios económicos e sociais, agravados pela pandemia do coronavírus, precisamos mais do que nunca de fraternidade. E Deus no-la oferece, dando-nos o seu Filho Jesus”, disse o Papa, esclarecendo que a fraternidade não consiste em “palavras bonitas, ideais abstratos, vagos sentimentos”, mas “baseada no amor real, capaz de encontrar o outro diferente de mim, de compadecer-me dos seus sofrimentos, aproximar-me e cuidar dele mesmo que não seja da minha família, da minha etnia, da minha religião”.

O Papa pediu disponibilidade, generosidade e solidariedade “especialmente para com as pessoas mais frágeis, os doentes e quantos neste tempo se encontram desempregados ou estão em graves dificuldades pelas consequências económicas da pandemia, bem como as mulheres que nestes meses de confinamento sofreram violências domésticas”.

Francisco recordou o seu apelo para uma cooperação internacional e não a “concorrência”, que assegure acesso às vacinas e tratamentos para todos, especialmente para os mais vulneráveis. “Perante um desafio que não conhece fronteiras, não se podem erguer barreiras”.

Na mensagem, o Papa criticou  “nacionalismos fechados” e o “vírus do individualismo radical”. “Não posso passar à frente dos outros, colocando as leis do mercado e das patentes de invenção acima das leis do amor e da saúde da humanidade”.

“Neste momento, penso de modo especial nas famílias que hoje não se podem reunir, como também naquelas que são obrigadas a permanecer em casa. E, para todos, seja o Natal a ocasião propícia para redescobrirem a família como berço de vida e de fé, lugar de amor acolhedor, de diálogo, perdão, solidariedade fraterna e alegria partilhada, fonte de paz para toda a humanidade”, concluiu.

Pedras Vivas 27 de dezembro de 2020 (leitura A4)

Pedras Vivas 27 de dezembro de 2020 (impressão A3)