Suplemento “Pedras Vivas” – 15 de novembro de 2020

Cáritas do Funchal: a pandemia fez aumentar os pedidos em 50%

A instituição já acompanhou cerca de duas mil famílias

A Cáritas Diocesana do Funchal apoiou, entre janeiro e setembro, cerca de duas mil famílias. Em relação ao ano passado, foram mais 328 agregados familiares a solicitar a ajuda desta instituição. Em média, estão a ser acompanhadas mais de duzentas e vinte famílias por mês. Foi a partir do mês de abril que se notaram os efeitos da pandemia, no aumento dos pedidos do apoio na alimentação.

Em entrevista ao Jornal da Madeira, o diretor da Cáritas do Funchal, Duarte Pacheco, revelou que o mês de setembro fez disparar quase 50% das famílias apoiadas e explicou a importância das campanhas de doações de alimentos, pois é a generosidade das pessoas que torna possível a ação da Cáritas. 

Em relação aos cabazes, referiu que são entregues às famílias conforme o agregado familiar, havendo o “cuidado de ter um cabaz minimamente nutricional”. Contudo, o trabalho da Cáritas não se reduz ao cabaz, envolvendo também o “acompanhamento social” e o “acompanhamento das famílias”.

Duarte Pacheco destacou também o problema da solidão. Através dos contactos telefónicos, nota-se que “as pessoas estão literalmente tristes, apreensivas, e isto tem trazido alguns problemas de depressão”. A instituição conta com um psicólogo e um assistente social que fazem o acompanhamento daquelas situações.

Sobre as razões que levaram ao aparecimento de novos pedidos de ajuda, o presidente da Cáritas destacou a perda de emprego e a redução do vencimento.

Este responsável fez notar a sua preocupação quanto ao futuro: “Até quando é que nós vamos poder apoiar estas pessoas?”. Apesar de notar nas pessoas uma sensibilidade para a solidariedade, o facto é que, este ano, devido à pandemia, foram cancelados diversos eventos que eram fonte de receita, como o peditório de rua e os ofertórios consignados. “Os donativos são muito poucos, ou quase nenhuns”, concluiu. 

Neste domingo, a Cáritas termina a sua campanha de recolha de alimentos nas superfícies comerciais dos supermercados “Pingo Doce”. Esta recolha é realizada através de vales de alimentos (arroz, leite, cereais, salsichas e atum), disponíveis junto às caixas de pagamento. Ao adquirir estes vales, os respetivos alimentos são depois entregues à Cáritas. 

A Cáritas também desenvolveu um projeto nas escolas da RAM, denominado “Conto Contigo”, que envolveu alunos e famílias na recolha de géneros alimentares com destino aos mais necessitados. A ideia, que partiu de um jovem estudante, foi estendida a 61 escolas espalhadas por toda a Madeira.

Download PDF (leitura A4)

Download PDF (impressão A3)