Presidente Marcelo apelou à “resistência espiritual” na pandemia

No dia do visitante 5 milhões à Torre dos Clérigos, no Porto, o presidente da República Portuguesa sublinhou a importância do património e da cultura na recuperação económica em tempo de pandemia.

Presidente Marcelo Rebelo de Sousa na Torre dos Clérigos
A Torre dos Clérigos, no Porto, em Portugal, assinalou o visitante 5 milhões com uma homenagem ao presidente da República Portuguesa. Valores registados após as obras de reabilitação em 2014.

Mobilizar o turismo interno

Marcelo Rebelo de Sousa foi acolhido no dia 23 de setembro pelo presidente da Câmara Municipal do Porto, Rui Moreira, pelo bispo do Porto, D. Manuel Linda e pelo presidente da Irmandade dos Clérigos, o padre Manuel Fernando que salientou no seu discurso de boas vindas um número nacional de esperança: 30% dos visitantes dos Clérigos no pós-confinamento são portugueses. Um fruto do apelo mobilizador do presidente da República para o turismo interno.

“Após a nossa reabertura as nacionalidades dos nossos visitantes são: 70% são estrangeiros e nacionais 30%. Naturalmente, que entendemos que Sua Excelência o senhor presidente da República com os seus apelos, com a sua presença, com a sua dinâmica foi realmente mobilizador e um apelo para todos” – frisou o padre Manuel Fernando.

Património e recuperação

Na sessão solene após uma visita ao Museu dos Clérigos, o presidente da República lembrou a importância do património e da sua promoção turística:

“Na qualidade de visitante 5 milhões, aqui quero representar e agradecer as gerações e gerações que na Irmandade, mas com o apoio sucessivo dos bispos do Porto, construíram um património que honra Portugal” – afirmou.

Marcelo Rebelo de Sousa assinalou, sobretudo, a importância da revitalização do turismo interno e o significado dos 30% de visitantes portugueses neste período de desconfinamento e de recuperação:

“Significam já uma recuperação cuidadosa, respeitando as regras sanitárias, que mostra que é possível conjugar a preocupação com a saúde pública, com a vida cultural, com a vida social, com a vida económica no nosso país” – declarou o presidente da República.

Cultura e resistência espiritual

O presidente Marcelo assinalou a importância da afirmação da cultura como um dinamismo social que permite contactar com as raízes de uma história feita de resistências. O presidente apelou à resistência espiritual dos portugueses:

“O nosso país resiste temporalmente, nas dificuldades económicas, financeiras e sociais, mas resiste também espiritualmente com a força da sua história, com a força da sua cultura, com a força do seu património. Tudo isso nos ajuda a resistir” – disse o presidente Marcelo.

Após ter sido um casal o visitante 1 milhão em 2015 e o primeiro-ministro, António Costa o 2 milhões em 2017, o presidente Marcelo Rebelo de Sousa foi homenageado como visitante 5 milhões tendo sido descerrada uma placa comemorativa.

A homenagem ao presidente Marcelo como visitante 5 milhões, foi um modo de valorizar o seu contributo na promoção do turismo interno, numa altura em que a pandemia tem afetado muito as empresas e as famílias em Portugal.

No pós-confinamento são já 145 mil os que visitaram os Clérigos. Sinais de esperança para o futuro.

Rui Saraiva – Porto