D. Nuno pede aos crismados que tenham a ousadia de Pedro de meter os pés fora do barco e seguir Jesus

Foto: Duarte Gomes

O bispo do Funchal voltou este sábado, dia 8 de agosto, a confirmar na fé vários jovens. Desta vez D. Nuno Brás esteve nas comunidades paroquiais de Santo Amaro e de Santa Cruz, que têm como párocos os cónegos Manuel Ramos e Agostinho Carvalho, sendo que na primeira crismou 80 jovens e na segunda 47. Devido às atuais contingências, impostas pela pandemia, o grupo de Santo Amaro teve de ser dividido em dois, o que implicou celebrar duas Eucarístias para conseguir crismar todos os jovens respeitando as medidas de segurança.

Nas diferentes ocasiões, o prelado desfiou os crismandos a ter a ousadia de Pedro de querer seguir Jesus até quando este caminha sobre as águas e de, como Ele, ter “a lucidez de, quando estivermos para nos afundar, dizer: salva-me, Senhor”.

De resto, nas reflexões que fez em cada uma das celebrações, D. Nuno Brás começou por falar da tendência que temos para procurar uma explicação científica para todas as coisas, quando a ciência não tem explicação para tudo. Além disso, com este “cientismo excessivo, com esta fé excessiva na ciência”, frisou, “perdemos tantas vezes a capacidade de nos admirarmos, de nos maravilharmos, de nos deixarmos surpreender pela presença de Deus na nossa vida”.

O desafio é, por isso mesmo, encontrar os sinais que Deus nos vai deixando de que está connosco todos os dias, que “vive a nossa vida connosco” e que “faz milagres também com cada um de nós”, apesar de acharmos que isso não é possível.  A propósito D. Nuno Brás lembrou que uma das “dificuldades maiores” que sentiu quando entrou para o seminário foi “perceber como é que era possível que Deus olhasse para mim, um jovem lá dos confins do Vimeiro, e me convidasse para ser padre”. Depois de admitir ser necessária “alguma coragem para dar o passo”, o prelado lembrou igualmente que é preciso ter o olhar atento e o coração aberto para entender o convite de Jesus para andar sobre as águas.

E se a tarefa parece difícil – e é de facto – temos o espírito Santo para nos ajudar a acreditar que é possível caminhar sobre as águas, ou seja, que somos capazes de enfrentar os desafios da vida, confiantes de que “Deus nos deita a mão”, quando nós nos estamos a afundar, como fez com Pedro.

De resto e a terminar o prelado disse a todos os que foram crismados que “Deus quer fazer coisas grandes com vocês”. Para isso, lembrou, “só têm de deixar que Ele venha ao vosso encontro, viva a vossa vida e viva no vosso coração”.

Nas várias celebrações houve lugar a palavras de boas-vindas e de agradecimento aos pais, padrinhos e catequistas que acompanharam estes jovens no seu percurso e também palavras dirigidas em particular a D. Nuno Brás, por este se disponibilizar a estar presente nas mesmas, mesmo em tempos difíceis como os que vivemos.

Em Santa Cruz, para além desses agradecimentos, o próprio prelado fez questão de deixar uma palavra especial ao Pe. Hélder Gonçalves, que tem estado a ajudar o cónego Carvalho naquela paróquia, pela pronta disponibilidade para aceitar o pedido do bispo e pelo empenho com que o tem feito ao longo dos últimos meses.