Duas celebrações na paróquia dos Prazeres

Foto: Silvio Mendes

O início do mês de agosto é assinalado na paróquia dos Prazeres com a celebração de duas festas litúrgicas: Santíssimo Sacramento e Nossa Senhora das Neves, a padroeira daquela comunidade do Arciprestado da Calheta.

Neste ano e devido a à pandemia estas festas serão realizadas apenas com missas. sem procissões nem arraial, como era habitual.

A solenidade do Santíssimo Sacramento na igreja dos Prazeres iniciar-se-á pelas 17 horas do domingo 2 de agosto e a festa de Nossa Senhora das Neves será realizada no dia 5 de agosto com missa às 20 horas.

As missas das vigílias destas festas serão nos dias 1 e 4 de agosto às 20 horas.
O pároco, Pe. Rui Sousa, presidirá às cerimónias religiosas que são organizadas pelas respetivas Confrarias e comunidade paroquial.

A freguesia dos Prazeres formou-se com os terrenos desanexados da freguesia do Estreito da Calheta e com alguns casais pertencentes à paróquia da Fajã da Ovelha, ficando a sua sede na ermida de Nossa Senhora dos Prazeres, no sítio da Estacada.

Não é conhecido o ano da sua fundação e o nome dos seus instituidores, não restando vestígios da primitiva ermida, em virtude de ter sido demolida para dar lugar à edificação da atual paróquia.

Foi constituída pelo alvará régio de 28 de Fevereiro de 1676.

Nos princípios do último quartel do século XVII, compreendia esta freguesia os territórios que hoje a constituem e alguns das atuais paróquias do Paul do Mar e do Jardim do Mar.

No ano de 1700, foi extinta a freguesia dos Prazeres ou, pelo menos, suspensa uma parte do serviço paroquial que ali se celebrava, passando a ser desempenhado na igreja do Estreito da Calheta, a cuja paróquia ficaram agregados os casais que pertenciam à freguesia dos Prazeres..

Na capela de Nossa Senhora dos Prazeres permaneceu a sede da paróquia até o ano de 1753, altura em que se deu a sua transferência para a nova igreja, cuja construção se iniciou em 1751, a padroeira a ser Nossa Senhora das Neves.

É a única paróquia da Diocese do Funchal que tem como padroeira Nossa Senhora das Neves, havendo uma capela a ela dedicada situada na freguesia de São Gonçalo.

O motivo da devoção a Nossa Senhora das Neves baseia-se na história de um casal romano muito rico e já idoso, sem filhos, que pediu a Nossa Senhora orientação sobre o que fazer aos seus bens.

Em sonhos, na noite de 4 para 5 de agosto, Nossa Senhora disse ao homem para lhe edificar uma basílica na colina de Roma que no dia seguinte apareceria coberta de neve.
E em plena época de maior calor em Itália, nevou milagrosamente no monte Esquilino no dia 5 de agosto, no local onde se encontra agora a Basílica de Santa Maria Maior, assim chamada por ser a maior (e a primeira) de todas as Igrejas de Roma dedicadas à Virgem Maria.

O Papa Libério, que recebeu a mesma aparição em sonhos, mandou construir a Basílica no século IV.

Nossa Senhora das Neves também é conhecida como Santa Maria Maior devido ao nome da Basílica.