Turquia: A Basílica de Santa Sofia torna-se mesquita

Assim foi estabelecido por um decreto do Presidente Erdogan após o julgamento do Conselho de Estado anulando a transformação do local de culto em um museu em 1934. O próprio Erdogan anunciou uma primeira oração muçulmana em Santa Sofia para o dia 24 de julho.

Santa Sofia, Turquia | D.R.

De uma catedral bizantina dedicada à Divina Sabedoria – inaugurada em 537 sob o Imperador Cristão Justiniano – a uma mesquita, quando os Otomanos conquistaram Constantinopla em 1453 e renomearam a cidade de Istambul. Mais tarde foi convertida em museu em 1934 por decreto do pai fundador da Turquia moderna, Mustafa Kemal Ataturk.

Na sexta-feira (10/07), um decreto do Presidente Recep Tayyip Erdogan, que chegou logo após a decisão do Conselho de Estado, anulou a decisão de Ataturk aceitando o pedido de um pequeno grupo islâmico local, estabelecendo a transferência da gestão da sede bizantina do Ministério da Cultura para a Presidência de Assuntos Religiosos, convertendo-a efetivamente na Mesquita de Santa Sofia. Em um discurso à nação, o presidente turco anunciou que a primeira oração na mesquita de Santa Sofia será no dia 24 de julho.

O alerta do Patriarca Bartolomeu

O Patriarca Ecumênico de Constantinopla Bartolomeu, nos últimos dias, havia denunciado os riscos de tal decisão: “Ela levará milhões de cristãos em todo o mundo contra o Islão”. Em virtude de sua sacralidade, Santa Sofia, comentou o Patriarca, é um centro de vida “no qual Oriente e Ocidente se abraçam”, e sua reconversão em um lugar de culto islâmico “será uma causa de ruptura entre estes dois mundos”. No século XXI é “absurdo e prejudicial que Santa Sofia, de um lugar que agora permite que os dois povos se encontrem e admirem sua grandeza, possa se tornar novamente um motivo de oposição e confronto”.

Erdogan: toda crítica é um ataque à nossa independência

Respondendo às críticas, o presidente Erdogan defendeu a decisão invocando a “soberania nacional” e assegurando que as portas da Santa Sofia continuarão abertas a todos, muçulmanos e não-muçulmanos, como é o caso de todas as mesquitas: “Qualquer crítica”, disse ele, “é um ataque à nossa independência”. Centenas de crentes muçulmanos foram em frente à Santa Sofia gritar: “Alllah é grande”. O chefe da Associação a Serviço das Fundações Históricas e do Meio Ambiente disse que continuar a deixar Santa Sofia como museu “faria mal a consciência das pessoas”.

O pesar da UNESCO: Santa Sofia deve continuar sendo um símbolo de diálogo

A UNESCO lamentou profundamente a decisão da Turquia de mudar o “valor universal excepcional” do local, “um poderoso símbolo do diálogo”. “Um país – diz a agência da ONU – deve certificar-se de que nenhuma mudança comprometa o extraordinário valor universal de um local em seu território que está na lista. Qualquer modificação deve ser notificada pelo país à Unesco e verificada pelo Comitê do Patrimônio Mundial”.

Emanuela Campanile – Vatican News