Sínodo Amazónia: uma caminhada “sinodal” Deus, Igreja e “criaturas”

Foto: Vatican Media

Caminhando juntos no Sínodo

Depois de participar ativamente nas três semanas de trabalhos sinodais, o Papa Francisco tomou a palavra em 27/10/19, dirigiu-se a todos os participantes e encerrou as sessões. Compartilhou suas perspetivas e revelou algumas decisões.

Agradeceu a todos pelo testemunho de “trabalho, escuta e busca” pondo em prática o “espírito sinodal”, caminhando juntos.

O Papa recordou que não é obrigatória uma Exortação pós-sinodal. “Em todo o caso, gostaria de deixar uma palavra sobre o que se viveu no Sínodo e gostaria de fazê-lo antes do final do ano”.

Sínodo em 4 dimensões

Depois exprimiu-se sobre as quatro dimensões tratadas no Sínodo Amazónico: cultural, ecológica, social e pastoral.

Na dimensão cultural: foram abordados temas como a inculturação, a valorização das culturas.

Sobre a ecológica, o Papa manifestou sua admiração pelo Patriarca Bartolomeu de Constantinopla, um dos pioneiros na conscientização do problema ecológico e da exploração selvagem” dos recursos naturais. 

Na dimensão social chamou a atenção para a exploração das pessoas e a destruição da identidade cultural e alertou para o “tráfico de pessoas”,. 

A dimensão – a pastoral – é  “a principal”. “O anúncio do Evangelho é urgente, mas que seja entendido, assimilado e compreendido por essas culturas”, sublinhou.

Diaconado permanente e sacerdócio

Os participantes no Sínodo especial para a Amazónia pediram que se permita a ordenação de homens com “família legitimamente constituída e estável”, para “sustentar a vida da comunidade cristã através da pregação da Palavra e a celebração dos Sacramentos nas zonas mais remotas da região amazónica”. 

O documento final admite a ordenação sacerdotal de diáconos permanentes. O ponto 111 propõe a “ordenação sacerdotal de homens idóneos e reconhecidos pela comunidade, que tenham um diaconado permanente fecundo e recebam uma formação adequada para o presbiterado”.

“A respeito da abordagem universal do tema”, foi dito: sacerdócio está reservado, na Igreja Latina, a homens solteiros; alguns ritos, em comunhão com Roma, admitem a ordenação de homens casados como padres.

O Concílio Vaticano II (1962-1965) restaurou o diaconado permanente, a que podem aceder homens casados (depois dos 35 anos de idade).

Os participantes falam do celibato como um “dom” na Igreja Católica, mas sublinham que se trata de uma opção da “disciplina” da Igreja latina, que é diferente na “pluralidade dos ritos e disciplinas existentes”.

Outro tema foi a “reforma”: para a formação sacerdotal, e para a redistribuição do clero, inclusive entre continentes. Francisco lembrou o ótimo trabalho dos padres “fidei donum”.

Mulheres na Igreja

No número 103 do documento final, aprovado 137 favoráveis e 30 votos contra, sublinha-se que “as múltiplas consultas realizadas no espaço amazónico” destacam o “papel fundamental das mulheres religiosas e leigas na Igreja da Amazónia”, com os seus múltiplos serviços.

Nos novos contextos de evangelização e pastoral na Amazónia, onde a maioria das comunidades católicas são lideradas por mulheres, pedimos que seja criado o ministério instituído da ‘mulher dirigente da comunidade’.

O Papa assumiu o compromisso de reforçar a Comissão para o estudo do diaconato permanente. “Chegou a um acordo entre todos que não era claro. (…) Recolho o desafio que foi lançado pelas mulheres: “que sejamos ouvidas”. “Nós não nos damos conta do que significa a mulher na Igreja.” O seu papel vai muito além da “parte funcional”, afirmou entre aplausos.

Segundo o Papa, não existem dúvidas de que havia diaconisas no começo do Cristianismo, mas a questão está em determinar se “era uma ordenação sacramental ou não”.

Rito amazónico

Os participantes no Sínodo pedem a elaboração de um “rito amazónico”, que “manifeste o património litúrgico, teológico, disciplinar e espiritual” dos povos da região. Votaram o texto do documento final, que inclui a proposta da criação de um Rito Amazónico.

Francisco disse que irá solicitar à Congregação para o Culto Divino que faça “as propostas necessárias”, recordando as 23 igrejas com rito próprio, no mundo católico.

Na Igreja Católica existem os ritos latinos (rito romano: com as variantes ambrosiano, hispânico, bracarense e outros) e ritos orientais (especialmente o bizantino).

Comunicação social e compromisso com a sociedade 

Por fim, o Papa Francisco agradeceu a quem trabalhou “escondido” nas secretarias e também aos meios de comunicação. Aos profissionais da imprensa, deixou um conselho: do Documento final, é preciso fazer ressaltar o “diagnóstico”, que “é realmente a parte em que o Sínodo mais se expressou: diagnóstico cultural, social, pastoral, ecológico, porque a sociedade deve assumir a sua responsabilidade. É importante afirmar que “todos vencemos com os diagnósticos feitos e com o que foi avante nas questões pastorais e intereclesiásticas”.

Citou uma frase do escritor francês Charles Péguy: “Porque não têm a coragem de estar com o mundo, creem estar com Deus. Porque não têm a coragem de comprometer-se nas opções de vida do homem, creem lutar por Deus. Porque não amam ninguém, creem amar a Deus”.