Tradição na paróquia do Caniçal

A festa de Nossa Senhora da Piedade será presidida pelo Bispo do Funchal no próximo domingo, 15 de setembro às 13 horas.

D.R.

As procissões no mar do Caniçal marcam a festa em honra de Nossa Senhora da Piedade.
O padroeiro do Caniçal é São Sebastião mas a festa que tem mais impacto e que atrai maior número de pessoas de toda a ilha e emigrantes é a de Nossa Senhora da Piedade.

Às 15 horas do sábado dia 14 de setembro terá início o percurso marítimo entre o cais do Caniçal e a capela da Piedade. Após o regresso, cerca das 19 horas, realizar-se-á a procissão para a igreja do Caniçal. Depois será celebrada a missa da vigília desta festa.

Na sexta-feira às 11 horas haverá a procissão dos barcos em miniatura, ao ar livre. No sábado às 13 horas terá início a romagem do sítio do Serrado da Igreja e, uma hora depois, parte a romagem da Banda D’Além, seguindo, pelas 14h30, a procissão da igreja em direção ao cais.

Pelas 16h30 realiza-se a tomada da imagem de Nossa Senhora da Piedade na respetiva capela. As romagens atuam às 21h15 e às 22h05 sendo momentos de muita animação e onde se revelam muita imaginação nas letras das canções que serão interpretadas.

No domingo, às 13 horas, será celebrada a Eucaristia, presidida por D. Nuno Brás, Bispo do Funchal.

Às 15 horas começará a procissão no mar com a imagem a ser embarcada este ano no atuneiro ‘Baía do Funchal’, de acordo com sorteio realizado no passado dia 1 de Setembro. O arraial naqueles dias terá atuações de diversos cantores.

Nossa Senhora da Piedade é a padroeira das paróquias dos Canhas e da Piedade, na Ilha do Porto Santo, sendo de referir que na Diocese do Funchal o culto a Nossa Senhora da Piedade teve início nos primórdios da colonização da Madeira e Porto Santo.

A capela de Nossa Senhora da Piedade, que se encontra no Monte Gordo ou da Piedade, num zona sobranceira ao mar e distante do centro da freguesia, data do século XVII atribuída por alguns historiadores a Garcia Moniz, administrador do morgado do Caniçal ou, a algum dos seus sucessores.

O motivo de se fazer a festa no terceiro domingo de setembro reside na promessa feita por um grupo de pescadores que ao passar por dificuldades no alto mar decidiram pedir auxílio â Virgem Maria, prometendo construir uma apela em sua honra.

Os pedidos foram atendidos e quando o tempo melhorou os pescadores viram o Monte Gordo e, decidiram ali construir a capela dedicada à Nossa Senhora da Piedade.