Na Igreja: «não somos turistas mas irmãos uns dos outros»

Foto: Patrícia Coelho, Fundação Fé e Cooperação (FEC)

Solidariedade faz parte da natureza da Igreja

Papa Francisco, na última quarta-feira, dia 21/08, na Sala Paulo VI, falou sobre a “comunhão integral na comunidade dos fiéis”. A comunidade cristã nasce pela ação do Espírito Santo e cresce com a partilha entre os irmãos em Cristo. E “o sinal de que o seu coração se converteu é quando a conversão chegou ao bolso e ajuda os mais pobres”, afirmou. 

“A solidariedade edifica a Igreja como família de Deus, onde a experiência da koinonia é um elemento central”, explicou o Papa. Koinonia significa colocar em comum, partilhar, comungar: participação na Eucaristia, que se traduz na união fraterna e na comunhão dos bens materiais. Ser indiferente, não se preocupar com os outros, não é cristão, recordou o Papa, que acrescentou: “a hipocrisia é o pior inimigo da comunidade cristã, deste amor cristão: fazer de conta de querer bem, mas buscar somente o próprio interesse.”

“Há muitos turistas na Igreja que estão sempre de passagem: julgam ser cristãos, mas são somente turistas de catacumbas. Não devemos ser turistas na Igreja mas irmãos uns dos outros”.

Francisco pediu ao Senhor para derramar sobre nós o seu Espírito, que nutre a solidariedade cristã, a qual, longe de ser atividade de assistência social, é uma expressão irrenunciável da natureza da Igreja que, como mãe de ternura, cuida de todos os filhos, especialmente dos mais pobres.”

Francisco então enalteceu os muitos cristãos que fazem voluntariado, que compartilham o seu tempo com os outros.

Voluntariado missionário é estar atento ao outro

A Fundação AIS apoia «mais de 40 projetos neste verão 2019» em locais «onde os católicos são minoritários, discriminados ou sofrem por causa dos conflitos armados»

Em 2019, São Tomé e Príncipe é o país que acolhe mais voluntários – 80. Seguem-se:. Moçambique com 63, Angola 55 e Guiné-Bissau 53. 

Uma experiência de voluntariado “muda a vida toda” e tem repercussões “muito positivas” na inserção no mercado de trabalho pela “predisposição à mudança”. O voluntário é “uma pessoa mais atenta ao outro”.

 A PVM é coordenada pela Fundação Fé e Cooperação (FEC). Em 2019, 37 das 61 organizações enviaram 1059 voluntários, sendo significativo o número de reformados, 7% dos que participam em projetos de longa duração. E há também famílias a fazer voluntariado missionário, 

Projetos de maior expressão continuam a ser “a educação e a formação” e também trabalhos “na parte pastoral, na animação sociocultural, desenvolvimento de atividades, dinâmicas com crianças e jovens” e na saúde.

Catarina Lopes António disse ainda que a “grande diferença entre o voluntariado internacional e o voluntariado missionário é a fé”, é a dimensão evangelizadora”.

Funchal: Seminaristas em encontro de verão 

A evangelização passa pelo estar presente, pelo testemunho. Assim, de 5 a 9 deste mês, decorreu em São Jorge, o encontro de verão dos seminaristas maiores da Diocese do Funchal.

Acompanhados por D. Nuno Brás, e por vários sacerdotes que se juntaram aos jovens nestes dias, os seminaristas receberam também a visita de D. José Tolentino de Mendonça. O arcebispo deixou o seu testemunho enquanto seminarista que, há 30 anos, também participou nestes encontros. Desses tempos disse guardar, com gratidão, muitas e boas memórias”, como referiu Luisa Gonçalves.

Nesta semana os seminaristas privilegiam também o contacto com as comunidades. Na homilia da celebração, em Porto Moniz, D. Nuno Brás falou dos ideais, dos sonhos e dos projetos dos discípulos, a quem Jesus “convida para viver e experimentar a glória de Deus, e a estar com Deus”. Em troca o Senhor pede apenas que oiçamos as suas palavras, porque são elas que vão transformar a nossa vida e o que está à nossa volta, “tornando tudo mais semelhante a ele Deus feito homem”.

Estes encontros nas férias dos seminaristas representam uma oportunidade para o bispo diocesano conhecer os seminaristas de maneira mais próxima, pessoal e até descontraída. Importante o encontro e o testemunho que deixam junto das comunidades onde se realizam. Isto é evangelizar.