30 anos do Eremitério Maria Serena: “Futuro está na Divina Providência”, diz a Irmã Helena

D.R.

O Eremitério Maria Serena está a completar 30 anos de existência. Amanhã, dia 4 de agosto, a data vai ser assinalada com uma Eucaristia, a celebrar pelas 19 horas, presidida pelo bispo do Funchal, D. Nuno Brás. 

Neste espaço de oração, recolhimento e silêncio para a Igreja vive hoje uma das fundadoras: a Irmã Helena. Foi com esta ermita, que acompanhou o Pe. Michael, a Irmã Theresia e o Senhor D. Maurílio de Gouveia, que o Jornal da Madeira conversou. Falamos com a religiosa sobre o passado, o presente e o futuro desta casa, que tem muita confiança na Divina Providência.

Jornal da Madeira – Quem foram os fundadores do Eremitério?

Irmã Helena – O livro “O Eremitério Maria Serena: Presença do Ideal Eremítico na Ilha da Madeira” escrito por D. Maurílio de Gouveia é muito esclarecedor relativamente aos três fundadores deste Eremitério, Pe. Michael Prader, Irmã Theresia Stengel e Irmã Sieglinde Helena Walch que chegaram a 16 de julho de 1987, dia da Festa de Nossa Senhora do Carmo, a esta Ilha da Madeira. 

Jornal da Madeira – Porque o criaram na Madeira e com que objetivo?

Irmã Helena – Foi a Divina Providência que nos trouxe para esta Ilha, para nos entregarmos em Fé, Esperança e Amor e oferecermos a nossa vida em silêncio, pela Igreja, pelo povo madeirense e em especial para a santificação dos Sacerdotes em oração, sacrifício e reparação.

Foto: Duarte Gomes

“Foi a Divina Providência que nos trouxe para esta Ilha, para nos entregarmos em Fé, Esperança e Amor e oferecermos a nossa vida em silêncio, pela Igreja”


Jornal da Madeira – O que motivou a escolha do nome Maria Serena?

Irmã Helena – Este nome foi dado a esta casa desde o início e significa: a serenidade, clareza, paz e harmonia, é um espelho do Imaculada Coração de Maria, a quem este Santuário é dedicado.

Jornal da Madeira – Como é o dia a dia e como têm sido estes 30 anos?

Irmã Helena – Todos os dias e todas as noites foram uma Graça e nunca faltou a Cruz e a alegria. No dia 5 de agosto de 1989, festa da Nossa Senhora da Neves, entramos neste Espaço, que estava ainda em construção. Faz agora 30 anos que permanecemos no silêncio, escondimento e na presença do Senhor.


Jornal da Madeira – D. Maurílio foi uma das pessoas que por aqui passou e que, inclusivamente, escreveu um livro sobre o Eremitério. Acabou por falecer neste espaço de oração…

Irmã Helena – Desde o início foi providencial o contacto com Sr. D. Maurílio, ele acompanhou-nos espiritualmente em toda a nossa caminhada. O Sr. D. Maurílio faleceu no Eremitério serenamente, na festa de São José, num ambiente de silêncio e oração, como era sempre seu desejo, nesta etapa de fim de vida. O Sr. Arcebispo foi para nós e para este Eremitério uma pedra fundamental para a concretização deste plano de Deus. O seu amor pela Eucaristia, Nossa Senhora e por São José reflecte-se nos seus últimos livros. 


Jornal da Madeira – Há dias e a propósito da importância da oração D. Nuno Brás pedia às irmãs jubiladas de Nª Sª das Vitórias que continuassem a rezar porque, disse, a oração sustenta o mundo. Então o papel do Eremitério foi e continua a ser fundamental.

Irmã Helena – Esta Casa Maria Serena, é um Eremitério, não é um convento. É um lugar de silêncio e de intimidade com Deus, por isso temos o lema “No Silêncio… Deus encontra-se contigo, tu encontras-te com Deus”. O Eremitério tem um carisma próprio: oferecer a vida quotidiana para santificação do Clero, na oração, sacrifício e reparação.

“Deus chamou-me para a vida eremítica, uma vocação muito pessoal e pouco comum nos dias de hoje. A minha vocação é a entrega total ao Senhor em favor do sacerdócio, no escondimento e amor a Deus e ao próximo”.

Jornal da Madeira – Que futuro para este espaço, uma vez que só cá está a Irmã Helena?

Irmã Helena – Deus chamou-me para a vida eremítica, uma vocação muito pessoal e pouco comum nos dias de hoje. A minha vocação é a entrega total ao Senhor em favor do sacerdócio, no escondimento e amor a Deus e ao próximo. Nesta solenidade de Ação de Graças, na celebração dos 30 anos do Eremitério, vou renovar de forma oficial, na presença do Sr. Bispo do Funchal, D. Nuno Brás, os meus votos de pobreza, castidade e obediência. Com 21 anos entreguei-me na Divina Providência e até hoje, nunca faltou o que necessitava. Deus é fiel e Omnipotente e o Senhor cuida das suas obras. O Futuro deste Eremitério Maria Serena, está nas mãos de Deus, ele é o Senhor e a Nossa Senhora do Carmo é nossa Padroeira e nossa Protetora. Assim este espaço de paz e de presença do Senhor acolherá os sacerdotes que sintam necessidade de, durante um dia, retirar-se no silêncio e contemplação.