D. António Couto: Retiros são tempo para saborear e digerir a palavra de Deus

Foto: Duarte Gomes

Terminou ao fim da manhã de sexta-feira, dia 12 de julho, o retiro do clero que decorreu durante toda a semana, na Casa de Retiros do Terreiro da Luta, e foi orientado por D. António Couto.

Sobre este tempo de reflexão, que envolveu um grupo de 15 sacerdotes, o bispo de Lamego começou por dizer que estas pausas são importantes e necessárias não só para os sacerdotes, como também “para o povo de Deus no geral”. São momentos que proporcionam “espaço, tempo e disponibilidade para poder saborear, digerir, escutar a palavra de Deus”. 

Todo somado, explicou, “este tempo de retiro foi isso mesmo: um encontro com a palavra de Deus. Foi o impacto dessa palavra que quando é digerida transforma a nossa vida”. 

De resto, “a palavra de Deus é aquele bisturi, de que a Bíblia fala muitas vezes, que anda dentro de nós, como aquele fogo que arde nos ossos de Jeremias ou aquele fino silêncio de que fala Elias, no Primeiro Livro dos Reis, capítulo 19, que corta dentro de nós, nas gorduras da nossa vida e do coração”. E essa palavra, diz D. António Couto, “brota de forma natural e quase impede que nos possamos programar”, daí que o retiro tenha decorrido sem temas previamente estabelecidos, dando espaço para “improviso” e sobretudo para o silêncio que “rebenta com todos os meus diques e as minhas estruturas super organizadas. É uma desorganização da minha vida super organizada”. 

Como é habitual o retiro terminou com uma Eucaristia, que foi celebrada na capela da Casa de Retiros do Terreiro da Luta e presidida pelo bispo do Funchal, D. Nuno Brás. O bispo Diocesano também considera que os retiros “são um momento para estar mais próximo de Nosso Senhor, que é quem faz de nós sacerdotes.” Aliás, considera, “precisamos de estar com Ele todos os dias, mas precisamos de estar com Ele por períodos mais longos, para recarregar baterias e para revigorar o nosso ardor no anúncio do Evangelho”.

O próximo retiro, que contará com a participação de outro grupo de sacerdotes acontecerá em setembro, entre os dias 9 a 13, e será orientado por D. José Ornelas Carvalho, o bispo madeirense que está à frente da Diocese de Setúbal.