Bispo exorta Carismáticos a reavivar a fé, revitalizar os grupos de oração e a testemunhar diariamente Cristo vivo

Foto: Duarte Gomes

A equipa de Serviço Diocesano do Renovamento Carismático da Diocese do Funchal promoveu este domingo, dia 25 de fevereiro, no Centro de Congressos da Madeira, a sua X Assembleia, tendo como orador o padre brasileiro Luiz Paulo.

Depois de um dia dedicado à reflexão e à oração, em que participaram 700 pessoas, o evento terminou com uma Missa presidida pelo bispo do Funchal e concelebrada pelos padres Luiz Paulo, Óscar Andrade e Carlos Almada.

Dirigindo-se aos fiéis D. António Carrilho começou por lembrar que esta Assembleia aconteceu em plena Quaresma, “tempo de caminhada, em que toda a igreja se dinamiza e movimenta, preparando-se para ir ao encontro do Senhor”, com “consciência e fé no grande Mistério Pascal que é o sofrimento, morte e ressurreição”. Um tempo em que estamos se de olhos postos “naquilo que o senhor nos pede, para vermos qual é o nosso caminho, qual é a nossa responsabilidade”.

Na homilia, o prelado desejou ainda que “a graça, que cada um certamente recebeu neste dia, encontre no coração terreno fértil capaz de dar frutos e que esses frutos permaneçam na nossa vida”.

D. António disse ainda existirem “três palavras” que gostaria que marcassem este dia e acompanhassem cada um no seu regresso a casa: reavivar, revitalizar e testemunhar. “Reavivar a nossa fé”, revitalizar os grupos de oração” e “testemunhar, na nossa vida diária, Cristo vivo”.

Pediu ainda que “nos vossos grupos, na oração, valorizai o máximo a Palavra de Deus e a Eucaristia”. Citando o Papa Francisco, na Audiência Geral de 31 de Janeiro, D. António lembrou que “a palavra de Deus é centro”. “É uma palavra que vai da cabeça ao coração e passa do coração para as mãos”. O que é que isso quer dizer? “Pois, que o caminho que fazemos, iluminados pela palavra é para saber, é para amar e é para se fazer alguma coisa, e não para ficar simplesmente em piedosas intenções”. Por isso mesmo, disse, é que damos as mãos uns aos outros, porque assim, “podemos sempre fazer mais, fazer melhor”.

Já o Pe. Luiz Paulo, o orador convidado, disse logo na abertura do evento que este era “um dia de graça e um dia de bênção”. Um dia “para abrir o nosso coração, para deixar todas as inseguranças de lado, para deixar que o vento leve os nossos problemas”.

Pegando no tema deste encontro: “Mestre que hei-de eu fazer de bom, para alcançar a vida eterna” e na história do jovem rico, o Pe. Luiz Paulo proporcionou aos participantes nesta X Assembleia, várias oportunidades de reflexão.

Uma assembleia que, segundo o Pe. Óscar Andrade, assistente diocesano do Renovamento, “correu muito bem, com casa cheia”. Apesar “do Senhor ser sempre 0 mesmo”, explicou, quem vem de fora “diz sempre coisas diferentes” e “é sempre bom ouvir”.

O responsável faz “um balanço muito positivo deste encontro para todos os grupos”. Segundo os números que este avançou, atualmente são cerca de 20 os grupos de oração carismática, “espalhados pela nossa diocese”, a maior parte no Sul da Ilha, com excepção do grupo do Porto da Cruz que já fica mais a Norte.

Entre a assembleia de referir a presença também de alguns jovens. Um facto que resulta “do serviço ao Renovamento Carismático que eu faço, à terça e à sexta-feira, na Capela do Bom Jesus. Nesses dias, antes da missa das 18 horas, eu atendo as pessoas que nos procuram com problemas pessoais e psicológicos” e há também “muitos jovens que vêm ali buscar ajuda não só física, mas também espiritual”.

Em termos de futuro o Pe. Óscar fala em “expandir um pouco mais os grupos de oração, que ajudam as pessoas a saber rezar, de forma espontânea, a andar com a Bíblia e a saber usá-la.”