Cónego Fiel de Sousa na 10.ª edição do Dia Nacional do Bombeiro Profissional: “Os bombeiros são feitos de amor”

Na reflexão que antecedeu a homenagem aos bombeiros que partiram, o vigário-geral frisou ainda que “por eles, hoje, elevamos as mãos aos céus e agradecemos a Deus a semente que lhes plantou no peito.

“São de louvor e de ação de graças as palavras que, hoje, dirigimos aos soldados da paz, àqueles que lutam contra o medo para enfrentar os elementos que, em tantos momentos da nossa história, teimam em consumir quem somos e o que temos” disse, esta tarde, o Cónego Fiel de Sousa, durante as comemorações da 10.ª edição do Dia Nacional do Bombeiro Profissional, que teve lugar na Praça do Povo.

O vigário-geral da Diocese, em representação de D. António Carrilho, sublinhou ainda que “os bombeiros são feitos de amor”. “De outro modo”, acrescentou, “não se poderia explicar cada abraço de até sempre que é dado à família em cada despedida, nem cada ida, com desejo de ficar, nem cada silêncio depois das dores – das suas e das dos outros, nem cada cansaço depois do serviço”.

Estas palavras, disse, “beijam as mãos destas mulheres e destes homens que cuidam de nós”. São “mãos calejadas, cansadas, doridas exaustas”. Mãos que “entregam a vida que têm”, que “procuram no chão quem não chegou a casa”; “Mãos de Gente de boa vontade que fez da vida uma missão: ajudar o próximo”.

Na sua reflexão, que antecedeu a homenagem aos bombeiros que partiram, o cónego Fiel de Sousa sublinhou ainda que “por eles, hoje, elevamos as mãos aos céus e agradecemos a Deus a semente que lhes plantou no peito. E pedimos pelos que, sem olhar para si, se entregaram à morte no cumprimento de um dever que tem, por dentro, a essência da coragem. E pedimos por aqueles que continuam a sua luta contra o que nos mata”.

“Que o Senhor lhes guarde a coragem e proteja os seus passos. Que o Senhor lhes mantenha acesa a chama da generosidade”, desejou ainda o vigário-geral. “A esses homens e essas mulheres que enfrentam as nossas dores, muitas vezes, as suas, o nosso respeito e a nossa gratidão. Que Deus guarde os que faleceram junto dos seus santos e que proteja os que continuam a proteger a nossa vida”.