Pe. Tolentino Mendonça destaca papel dos emigrantes no campo da cultura

Fórum Madeira Global

É preciso reconhecer o contributo dos emigrantes no “campo da cultura” para um “melhor conhecimento” da nossa identidade insular, defendeu hoje o Pe. Tolentino Mendonça à margem do Fórum Madeira Global, que acontece hoje e amanhã no Funchal, onde foi orador convidado para a sessão de abertura.

O poeta e teólogo lembrou que a nossa emigração já tem muitos séculos, e “continua no presente”, com um “olhar” que nos ajuda a nos “conhecermos melhor”. Neste contexto, “é impossível falar da nossa história sem falar da contribuição dos emigrantes, mas do ponto de vista cultural, porque interessa a recriação, a efabulação, o mito, como testemunham os romanceiros orais” e os escritos dos “estrangeiros” que nos visitaram e aqui foram seduzidos pelo “espanto e o deslumbramento”.

P. Tolentino Mendoça no Forum Madeira Global

Na opinião do vice-reitor da Universidade Católica portuguesa, torna-se “fundamental a criação de um centro de interpretação” para as contribuições das comunidades emigrantes no campo da cultura, à semelhança do que já acontece na América Latina, e outros grandes países, com o objetivo de se registar “o realismo mágico, o fantástico, como género literário”, pois, “a nossa grande literatura tradicional é oral”, sublinhou Tolentino Mendonça neste reconhecimento do “papel dos emigrantes na recriação permanente da própria ilha”, tendo deixado o pedido de que “sejamos capazes de manter a capacidade de espanto que a ilha ainda tem, o nosso ouro, o nosso petróleo, é a capacidade de espantar os que nos visitam”, disse.