Bispo entrega gestão da obra Dona Eugénia ao Recolhimento do Bom Jesus da Ribeira

D.R.

A partir de hoje, dia 30 de novembro, a administração da chamada “Obra Sócio Caritativa Dona Eugénia” passa a ser da responsabilidade Direção do Recolhimento do Bom Jesus da Ribeira, valendo-se, se necessário, dos serviços diocesanos de administração.

A decisão foi tomada pelo Bispo do Funchal que a fez publicar na página de facebook oficial da Diocese do Funchal, adiantando que “a referida Direção poderá assim tomar todas as iniciativas e ações necessárias à prossecução daquele testamento, bem como gerir os proveitos resultantes da venda, arrendamento, aluguer, cedência ou qualquer outro tipo de acordo, dos bens patrimoniais deixados por Dona Eugénia Bettencourt, sempre com a prévia aprovação do Bispo do Funchal.”

Dada a natureza do legado, acrescenta ainda o prelado, “a Direção do Recolhimento do Bom Jesus da Ribeira cuidará que a administração dos referidos bens seja objeto de contabilidade autónoma, em relação às demais que lhe incumbam”.

Para tomar esta decisão, D. Nuno teve em consideração que “por testamento de 19 de Outubro de 1976, a Senhora Dona Eugénia de Freitas Bettencourt constituiu a Diocese do Funchal herdeira de todos os seus bens para “serem aplicados no Distrito do Funchal em obras de assistência a doentes cancerosos”, ou “caso surja futuramente algum imprevisto que venha impedir o cumprimento da minha vontade então, e só então, [autorizo] a Diocese a aplicar a herança noutra finalidade mas sempre dentro do possível em benefício dos infelizes da minha terra”.

Considerou, ainda, os princípios inspiradores e os objetivos enumerados nos Estatutos do Recolhimento do Bom Jesus da Ribeira, aprovados pelo Bispo do Funchal D. António José Cavaco Carrilho em 30 de novembro de 2017 e publicados no Jornal Oficial da Região Autónoma da Madeira no seu número 226 (IIª Série) de 2 de dezembro de 2020.