In Memoria: Pe. Victor Feytor Pinto

Foto: Agência Ecclesia/MC

A perda visível de um amigo é sempre uma surpresa. Neste dia 6 de outubro de 2021 apanhou o resto do dia e o dia 7 que em que me uni mais a ele em Cristo na Missa, a qual foi também de ação de graças por ser o aniversário da minha segunda profissão de consagração. O Pe. Vitor lembra os encontros de celebração e trabalho em cerca de trinta anos de colaboração com ele na humanização e pastoral da saúde, primeiro pedindo-lhe colaboração para os encontros na Ordem Hospitaleira de S. João de Deus, quando já nos conhecíamos doutros sobre “O Mundo Melhor”; e, a seguir, pedindo-me, também ele, colaboração nas comissões nacional e diocesana do patriarcado. Trabalhar juntos estendeu-se em breve ao Conselho Pontifício da Pastoral da Saúde de criação de S. João Paulo II. Aprendi muito com ele: Era mesmo genial na capacidade empática do seu relacionamento com toda a gente. Era um dialogador que personalizava os contactos espontâneos e informais como se os tivesse preparado longamente. A memória fora de série de que era dotado permitia-lhe relacionar-se com muitas pessoas pelo nome. A sua flexibilidade levava-o a inovar com grande flexibilidade em novas leituras de pastoral da saúde a partir do Concílio Vaticano II e do Evangelho. Também aqui fazia citações literais de memória de muitos textos para enfrentar com competência as questões fraturantes do aborto, eutanásia e outros da defesa da vida. Era agradável ouvi-lo testemunhar que aprendeu muito com a Ordem H. de S. João de Deus a qual teve como presidente do seu Secretariado Geral da Pastoral da Saúde, o Pe. José Redrado, O.H., o qual, pouco depois, seria nomeado Secretário do Conselho Pontifício da Pastoral da Saúde e elevado ao episcopado. A colaboração recíproca já muito intensa nestes organismos estendeu-se aos congressos internacionais de pastoral da saúde no Vaticano, às reuniões na rua da Beneficência e aos congressos em Fátima; e atingiu o auge nas realizações dos centenários da restauração da Ordem em Portugal, no 3º centenário da beatificação de S. João de Deus, centenários das Casas de Saúde do Telhal e da Idanha e principalmente no V Centenário do Nascimento de S. João de Deus (1995). Neste o Pe. Vitor Feitor Pinto foi o acompanhante protocolar do Card. Angelini, Presidente do Conselho Pontifício da Pastoral da Saúde e Delegado do Papa às comemorações em Montemor-o-Novo. Nesta função o Pe. Vitor deu preciosa ajuda nas celebrações.

Com esta breve nota de memória de saudosa amizade e admiração, desejo unir-me em oração e agradecimento por este cruzar-se de tanta entrega eclesial do Pe. Vitor Feytor Pinto. O Senhor o recompense pela abundância da sua vida pastoral que transbordou para os Hospitaleiros de S. João de Deus e para este Irmão que na idade ia à frente e fica agora à espera de o seguir até Deus.