Cardeal Tolentino Mendonça abre celebrações dos 700 anos da morte de Dante com uma conferência em Lisboa

D.R.

O programa inicia-se com a inauguração de uma exposição e uma conferência do cardeal português D. José Tolentino Mendonça.

Num comunicado enviado à Agência ECCLESIA, os comissários de ‘Dias de Dante’ informam que na exposição ‘Visões de Dante: o Inferno de Botticelli’ vai ser apresentado ao público português uma seleção de “manuscritos e de edições raras da Divina Comédia”, na Fundação Calouste Gulbenkian.

A conferência de abertura da exposição vai ser realizada por D. José Tolentino Mendonça com o tema ‘Todos somos chamados a construir visões. A ‘Divina comédia’ como pedagogia do olhar’, a partir das 19h00, desta quinta-feira, no auditório 2 da Calouste Gulbenkian, em Lisboa.

“É minha convicção que a Divina Comédia, sem prejuízo de outras propostas interpretativas, possa também ser lida como uma pedagogia poética e espiritual do olhar, como um itinerário de aprendizagem da visão”, explica o cardeal português, arquivista e bibliotecário da Santa Sé.

Na exposição, que o público pode visitar a partir do dia 24, vão estar manuscritos e de edições raras da ‘Divina comédia’’ provenientes da Biblioteca Apostólica Vaticana, do Museu Calouste Gulbenkian, da Biblioteca Nacional de Portugal, e da Coleção J. V. de Pina Martins, depositada na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa.

Segundo o programa de ‘Dias de Dante’, segue-se o colóquio internacional ‘Dante: um poeta do nosso tempo’, onde especialistas vão discutir o “impacto da ‘Divina Comédia’ na cultura ocidental” e a sua ligação com o contexto religioso e político da época em que foi escrita, entre as 10h00 e as 18h30 deste sábado, 25 de setembro, também no auditório 2 da Fundação Calouste Gulbenkian.

Dois ciclos de encontros vão dar ao público português “a oportunidade de aprofundar o conhecimento da obra do grande poeta italiano” e ‘As Lições sobre Dante’ vão reunir “especialistas, nacionais e internacionais”; A primeira sessão vai falar sobre poesia e memória a partir da obra de Dante, às 18h00, a 27 de setembro, na Fundação Calouste Gulbenkian.

A fundação vai também realizar um ciclo de atividades ‘Em redor da Exposição Visões de Dante’, para acompanhar a mostra com a participação de artistas e personalidades do mundo da cultura.

As iniciativas de ‘Dias de Dante’ vão terminar a 29 de novembro, são comissariadas por Teresa Bartolomei e João R. Figueiredo, com diversas instituições e organizações, nomeadamente a Biblioteca Apostólica Vaticana, o Centro de Estudos de Comunicação e Cultura (CECC) e o CITER – Centro de Investigação em Teologia e Estudos de Religião, da Universidade Católica Portuguesa, a Embaixada de Itália em Portugal, a Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, o Istituto Italiano di Cultura di Lisbona e a Fundação Calouste Gulbenkian.

O Papa Francisco assinalou o 700.º aniversário da morte de Dante Alighieri (Florença, 1265-Ravena, 1321) com a carta apostólica ‘Candor Lucis Aeternae’ (Esplendor da Luz Eterna), onde apresentou o poeta italiano como “profeta de esperança e testemunha da sede de infinito”.

CB