Alzheimer: Unidade da Ribeira Brava agora inaugurada é única e singular

Foto: Duarte Gomes

A Unidade de Alzheimer ‘Dragoeiro’, projeto desenvolvido pelo Centro Social e Paroquial de São Bento, na Ribeira Brava, em parceria com o Governo Regional foi inaugurada esta terça-feira, dia 14 de setembro, embora só comece em funcionar dentro de alguns dias.

Depois de sete anos de obras, e quase um milhão de euros depois, – dos quais 800 mil foram financiados por fundos europeus – a nova unidade tem capacidade para acolher 63 utentes (18 em internamento e 45 no centro de dia) de toda a região.

Localizada no centro da vila num edifício requalificado, onde antigamente funcionava a Panriva, a nova unidade mereceu elogios por parte de todos os que ontem tiveram oportunidade de a visitar.

Uma dessas pessoas foi o bispo do Funchal, que procedeu à bênção do novo espaço e que se congratulou com a inauguração deste centro.

Nas breves palavras que dirigiu aos presentes no final da visita à unidade, D. Nuno Brás lembrou que “as sociedades contemporâneas são marcadas por um aumento da esperança de vida” e que “isso traz consigo estas realidades destas doenças que não são explicáveis, que não são curáveis, mas cujos doentes nós precisamos tratar e cuidar”.

De resto, acrescentou, “essa será, cada mais vez uma das missões, não apenas deste Centro Paroquial e Social, mas de todos os outros, porque prevejo que em várias outras partes da nossa ilha apareçam centros semelhantes”, ainda que a Ribeira Brava tenha sido pioneira.

Dirigindo-se ao Pe. Bernardino, D. Nuno Brás disse-lhe que a diocese conta com ele e com a sua “sabedoria e discernimento, para ajudar a que esta casa dê frutos”, tornando-se “numa casa de referência para todas as outras que possam surgir”.

GR agradece ao Pe. Bernardino

Quem também agradeceu todo o bem que o padre Bernardino Trindade tem feito nos últimos anos no apoio aos cidadãos mais vulneráveis, da Ribeira Brava e não só, foi o presidente do Governo Regional.

O Centro Social e Paroquial de São Bento, disse mesmo o governante é “um exemplo e um paradigma daquilo que deve ser a solidariedade social e a ação das IPSS em conjugação com o estado social, no apoio aos cidadãos mais vulneráveis.”

Miguel Albuquerque, que sublinhou que o agradecimento era extensivo a toda a equipa, disse ainda que “o Pe. Bernardino teve a inteligência e a capacidade de trabalho, a disponibilidade e a vontade de inovar” e soube transformar a Unidade de Alzheimer ‘Dragoeiro’ num “centro de excelência”.

No entender do chefe do Executivo madeirense, temos que estar cada vez mais preparados para tratar as doenças degenerativas que vão surgindo devido ao aumento da esperança de vida e ao progresso. Daí que o Governo Regional, disse, vai sempre garantir “um suporte para a funcionalidade desta instituição”.

Quanto a Ricardo Nascimento, presidente da Câmara da Ribeira Brava, elogiou a obra a cargo do Centro Social e Paroquial de São Bento, referindo também que o Pe. Bernardino teve uma visão futurista, ao avançar com esta obra.

Numa intervenção algo emotiva, Ricardo Nascimento lembrou que ninguém está livre da doença Alzheimer e destacou a importância do centro para muitos cidadãos madeirenses.

A obra, lembrou, é fruto da união de esforços de uma série de entidades e também da “paciência” que o presidente do Governo tem tido para escutar os seus apelos.

Quanto ao Pe. Bernardino, o grande mentor da Unidade de Alzheimer ‘Dragoeiro’, agradeceu a todas as entidades envolvidas na concretização deste projeto e deu conta da “alegria” da sua inauguração.

Um espaço, lembrou, “cujo fim é acolher, proteger e cuidar dos doentes de Alzheimer” e onde, garantiu, “a equipa ou equipas preparadas para esta missão, têm meios para tal”.

“Com as condições que aqui estão, estou certo, que ajudarão os utentes e famílias em bem-estar e dignidade”, disse ainda o sacerdote, para logo sublinhar que “é fundamental a confiança e profissionalismo em todos os ‘cuidadores desta unidade’”.