48º aniversário: D. Nuno Brás diz que Hospital Dr. Nélio Mendonça tem de ser farol da humanidade no quotidiano 

Foto: Duarte Gomes

Foi com uma Eucaristia na igreja do Colégio que se encerraram, na tarde de quinta-feira, dia 9 de setembro, as comemorações dos 48 anos do Hospital Dr. Nélio Mendonça.

A celebração foi presidida por D. Nuno Brás e concelebrada pelo Pe. Bonifácio Santos, capelão daquela unidade, tendo o prelado aproveitado a oportunidade para refletir sobre as leituras e para sublinhar que “o hospital Dr. Nélio Mendonça tem de ser um farol da humanidade no meio do nosso quotidiano e em todas as suas dimensões”.

Depois de frisar que precisamos de tomar consciência de que somos o único ser que cuida do mais fraco e do doente, D. Nuno Brás acrescentou, no entanto, “não nos basta a técnica, precisamos da humanidade”.

A vida humana, lembrou, é “um bem preciosíssimo” e, por isso mesmo, “não podemos deixar de colocar ao seu serviço toda a técnica e todo o saber de que dispomos e de que somos capazes”, sem nos esquecermos de “colocar também ao serviço da vida humana toda a humanidade de que somos capazes” e toda a “misericórdia”, “bondade” e “humildade”.

“Nunca deixemos de fazer o bem com medo de que alguém nos possa considerar vaidosos”, frisou ainda o prelado para logo acrescentar que apoiar-se e perdoar-se mutuamente neste caminho, pode mesmo ser “a grande norma da humanidade nos hospitais, na relação entre profissionais e doentes e entre os próprios profissionais, no sentido de criarem uma comunidade que se apoia e que tem a missão de ser esse farol de humanidade”.

De resto, por muito que pensemos que já tudo fizemos, como cristãos “há sempre mais qualquer coisa a fazer, mais uma atitude a tomar, uma atitude ainda mais cristã a tomar, porque Deus não se cansa de nos amar e de nos perdoar. E nós cristãos, disse ainda o bispo Diocesano “não podemos deixar de ser o espelho de Deus”.

D. Nuno Brás terminou a tua reflexão dando “graças ao Senhor por aquilo que tem sido e por aquilo que é ainda hoje o Hospital Drº Nélio Mendonça, com toda a sua comunidade de profissionais, quaisquer que eles sejam e dar graças ao Senhor por tudo aquilo que Ele é no cuidado de saúde àqueles que vivem na Região e àqueles que nos visitam, àqueles que necessitam de um cuidado qualquer que ele seja”, especialmente neste tempo de pandemia.

“Que nele todos se sintam respeitados, todos se sintam acolhidos, sem distinção, nele todos percebam que a sua vida é tomada e olhada com toda a sua dignidade de vida humana e nele todos se sintam verdadeiramente cuidados, naquilo que é o retomar da saúde e naquilo que é o acompanhar a morte”.

De referir que esta celebração, em que D. Nuno Brás deixou também uma palavra de saudação aos voluntários da instituição, contou com a presença de várias entidades ligadas à saúde, nomeadamente do secretário regional, Pedro Ramos e da presidente do SESARAM, Rafaela Fernandes.