Secretaria do Turismo e Diocese do Funchal assinaram protocolo 

Na oportunidade, tanto D. Nuno Brás como Eduardo Jesus lembraram que não há história da Madeira sem a história da Diocese do Funchal. 

Foto: Duarte Gomes

A Diocese do Funchal e a Secretaria Regional de Turismo e Cultura formalizaram esta terça-feira, dia 22 de junho, um protocolo no âmbito da preservação, salvaguarda e divulgação do património documental daquela Diocese. A cerimónia decorreu no auditório do ABM, com a presença do secretário regional de Turismo e Cultura, Eduardo Jesus e de D. Nuno Brás, Bispo do Funchal.

No quadro deste protocolo, a secretaria pretende iniciar diversos projetos com o envolvimento da DRABM, sendo o primeiro a digitalização da biblioteca histórica da Cúria Diocesana.

Esta biblioteca, composta por várias centenas de volumes com datas de edição entre os séculos XVI e XVIII, será ainda integrada no Catálogo Coletivo de Bibliotecas da Madeira (CCBM), no âmbito da coordenação da Rede Regional de Bibliotecas.

Após a sua digitalização, as réplicas digitais dos exemplares da biblioteca histórica da Cúria Diocesana ficarão disponíveis em contexto virtual naquele catálogo. A SRTC recorda que o CCBM é um catálogo colaborativo que tem o objetivo de valorizar o património bibliográfico regional através da integração, divulgação e localização de toda a informação documental bibliográfica das bibliotecas da Região Autónoma da Madeira.

Na ocasião, o secretário regional de Turismo e Cultura, Eduardo Jesus, enalteceu a cooperação existente entre o Governo Regional e a Diocese do Funchal, que tem permitido a produção de um trabalho “qualificado” e “necessário” no estabelecimento de relações com as origens.

Esta é, disse Eduardo Jesus, a “consolidação de uma relação de grande confiança, de muita competência e acima de tudo de uma entrega que é comum e que se encontra em objetivos também eles comuns”, realçou o governante, que lembrou que “não há história da Madeira sem a história da Diocese”.

D. Nuno Brás, por seu lado, também destacou a importância do protocolo agora assinado, sublinhando igualmente a ideia de que “a história da Diocese do Funchal coincide quase na sua totalidade com a história da ilha e daquilo que hoje é a região”.

Ao longo destes séculos, lembrou o bispo do Funchal, foi sendo produzido um inúmero volume de documentos e de obras importantes para essa história, de maneira que “é essencial esta possibilidade de colocar esses documentos e obras ao dispor de todos.

“Um ganho para a Diocese, para a Região e para a verdade” foi como D. Nuno Brás se referiu ainda a este protocolo, que disse permitirá aos historiadores e investigadores o acesso a estes instrumentos o que “evita colmatar com a imaginação as lacunas que aparecem”.

O prelado fez ainda votos para que “este trabalho produza frutos e bons frutos, e com alguma velocidade, de modo a que esses frutos sejam visíveis num curto espaço de tempo porque, verdadeiramente, precisamos deles”.

Quanto ao Diretor Regional do Arquivo e Biblioteca da Madeira, Nuno Mota, agradeceu ao bispo do Funchal pela disponibilidade da Diocese para esta colaboração e a “forma aberta como pudemos dialogar, sendo que desse diálogo resultou esta solução colaborativa que estamos aqui a formalizar”.

Nuno Mota desejou ainda que este protocolo agora assinado “funcione como uma base de possibilidade de projetos em concreto incidentes em conjuntos documentais mais específicos, cujo primeiro é a adesão da Biblioteca Histórica da Cúria Diocesana ao Catálogo Coletivo de Bibliotecas da Madeira (CCBM)”. Esta entrada, frisou, “constituiu um fator tremendo de enriquecimento deste mesmo catálogo” e constitui “um passo substancial deste instrumento que é o catálogo coletivo que é sinalizar, identificar, conhecer e construir meios de informação que permitam a acessibilidade e a experiência em concreto do património biográfico regional”.