Cidadãos correntes. Cristãos coerentes

Imagem do sítio www.opusdei.org

Mais uma vez, agora pela mão do deputado e presidente do PSD, se levanta a polémica sobre a proposta de lei do PAN acerca da filiação em associações secretas. E o PAN declara conhecer (?) duas delas. Bom, pelo menos, terá ouvido falar! E o estranho, ou talvez não, é que mete no mesmo saco duas organizações que nada têm em comum: Maçonaria e Opus Dei.

Mas, afinal, quem são eles? Confesso que o meu interesse se dirigiu ao Opus Dei, já que não se trata de uma organização restrita a alguns, como a maçonaria. O Opus Dei, é uma prelatura da Igreja católica. É uma entre as várias associações, movimentos, grupos da Igreja Católica e, assim, não se entende como será possível fazer uma lei que vai abranger somente alguns católicos. Certamente, não haverá a intenção de ostracizar todos os católicos porque, além de existir a tal lei de liberdade religiosa, há vários católicos – porque são batizados – que não assustam, eles até aplaudem e incentivam todas as chamadas leis fraturantes tão veneradas pela presente maioria. 

Porquê o Opus Dei? Quem são eles, o que fazem, o que pretendem?

Fui à procura e rapidamente encontrei (on line, pasme-se!) tudo o que queria saber. Bastou aceder ao opusdei.org e lá está tudo, incluindo toda a informação que eles próprios enviaram aos Senhores Deputados da Nação para seu cabal esclarecimento. Sem secretismo! Lá está a sua história desde a fundação, os estatutos, inúmeros textos do fundador, textos de formação doutrinal, iniciativas sociais e culturais etc etc etc. Não, é evidente que não se trata de uma organização secreta nem discreta. Quem o diz mente grosseiramente. 

O que transparece, ali, é uma ética própria de quem, não abdicando da sua da sua liberdade de pensar, recusa seguir pelo carreirinho predefinido por uma qualquer agenda global a roçar o pensamento único. Sim, eles incomodam, não estão fechados naquelas quintinhas atafulhadas de suspeições mesquinhas e ódios de estimação. Sim, eles incomodam…mas,tenham paciência Senhores deputados, ainda estamos numa democracia! 

Bem se entende que uma futura lei deste cariz terá de ser elaborada recorrendo à enorme astúcia da nossa classe política. É que são muitos os cristãos católicos ou não, pessoas de outras religiões e até sem qualquer crença religiosa que têm como seus os mesmos princípios da ética personalista que tanto incomodam. Estes valores que são muito importantes não são exclusivos do Opus Dei! E então, querem afastá-los a todos? Vamos começar pelo Opus Dei para abrir a porta ao que se seguirá? 

Mas, não posso terminar sem dizer: obrigada PAN, obrigada Dr. Rui Rio, obrigada Senhores deputados por esta Vossa atitude manhosa que, afinal, me levou a um maior conhecimento desta pequena parcela da Igreja. 

Navegar pelo opusdei.org foi muito esclarecedor e edificante: recomendo!

Maria Romano