Sê útil, deixa rasto…

D.R.

No início do ano de 1945, a Irmã Lúcia encontrou-se com São Josemaria em Tuy e convenceu-o a vir a Fátima. Assim aconteceu no dia 5 de fevereiro, já de noite. Um ano depois, chegou a Portugal o farmacêutico Francisco Martínez e dava-se início ao trabalho apostólico do Opus Dei em Portugal, esta terra abençoada, “terra de Santa Maria, onde Ela quis deixar rasto do seu amor pelos homens como referiu São Josemaria aquando de uma romaria a Fátima em 1970. 

Decorridos estes anos, e sob o olhar de diferentes pessoas, queremos perceber um pouco o impacto que a mensagem deste sacerdote Santo teve na vida concreta de quem se aproximou da Obra e que, com humildade e graça, foi procurando aplicar à sua vida os seus ensinamentos e o espírito que Deus confiou a São Josemaria no dia 2 de outubro de 1928.

Meus filhos, onde estiverem os homens, vossos irmãos; onde estiverem as vossas aspirações, o vosso trabalho, os vossos amores, é aí que está o sítio do vosso encontro quotidiano com Cristo (homilia pronunciada no campus da Universidade de Navarra, em 8 de outubro de 1967, in “Entrevistas a São Josemaria”).

O eco desta mensagem na vida pessoal de cada um apresenta-se com tonalidades muito variadas e insuspeitadas, que procuraremos descobrir ao longo de vários artigos sob o mote “75 anos, 75 pontos do Caminho”.

Vocação, vida contemplativa no meio do mundo, ordem, trabalho, alegrias e tristezas, crescer para dentro numa vida oculta e simples feita de coisas pequenas que se tornam grandes pelo amor com que se fazem. Tudo isto e muito mais iremos certamente encontrar.

O nosso desejo: dar graças pelo trabalho e entrega de tantas mulheres e tantos homens ao longo destes 75 anos.

Na sua exortação apostólica “A Alegria do Evangelho”, o Papa Francisco desafia-nos: Uma fé autêntica – que nunca é cómoda nem individualista –comporta sempre um profundo desejo de mudar o mundo, transmitir valores, deixar a terra um pouco melhor depois da nossa passagem por ela. (nº 183)

Penso que é a isso que São Josemaria sempre nos desafia com o Ponto nº 1 de Caminho: Que a tua vida não seja uma vida estéril. – Sê útil. – Deixa rasto. – Ilumina, com o esplendor da tua fé e do teu amor.       

Cristina Berrucho Figueiredo