Homenagem à Madre Virgínia (2º dia)

D.R.

por Conceição Freitas

Homenagem à Madre Virgínia – o novenário pela sua beatificação
2º dia, no Mosteiro de Santo António

Da palavra de hoje: João Batista tomara como testemunhas os seus seguidores aos quais teria dito: “Eu não sou o Messias, mas apenas o enviado à Sua frente.” “Ele é que deve crescer e eu diminuir”.  “Aquele que vem do Alto está acima de tudo”. (Lc 3,28; 30; 31)

O mesmo acontece com a Madre Virgínia. Ela foi, é e será, como todos os Santos, uma intercessora junto do Imaculado Coração de Maria e junto de Jesus, à qual podemos confiar as nossas dores e sofrimentos. Assim fizeram os seus contemporâneos e assim faremos nós.

“Não obstante, nada respirar fora da cerca destas revelações, o Pe. Prudêncio começou imediatamente a infundir na sua paróquia a devoção ao Coração Imaculado de Maria” (in Madre Virgínia, uma vida de amor)

O Pe. Prudêncio começou e bem a implementar a devoção ao Imaculado Coração de Maria, porque a Madre Virgínia aponta para o Alto para que os Divinos Corações cresçam e ela continue simples e humilde como era.

Hoje somos convidados a praticar a virtude da Humildade, virtude difícil de praticar numa sociedade egocêntrica como a nossa.

Madre Virgínia, intercedei junto do Doce Coração Imaculado de Maria para que rogue ao Divino Coração de Jesus por nós, pobres pecadores!