Celebrar o “feliz trânsito” – Homenagem à Madre Virgínia

Madre Virgínia Brites da Paixão | D.R.

Por Conceição Freitas

Num tempo de pandemia mundial em que se espalha por todo o mundo o medo e o terror da morte é bom recordar que para os Santos a morte não passa de “feliz trânsito”.

Vamos para o Céu! Vamos para o Céu! Vamos para o Céu! Foram estas as últimas palavras da Madre Virgínia que “aproximando-se a hora do feliz trânsito, apesar de mal poder balbuciar qualquer palavra, ganhou forças e exclamou com voz forte e feliz, três vezes: Vamos para o Céu” (in Madre Virgínia, uma vida de Amor).

A “Associação Grupo da Madre Virgínia em união com o Imaculado Coração de Maria” no dia 8, (sexta-feira) pelas 8h30m dará início ao novenário que antecede o dia da morte da Madre Virgínia, no Mosteiro de Santo António – Lombo dos Aguiares.

No dia 17, pelas 16h será celebrado o 92º aniversário da morte ou melhor do “feliz trânsito” da Madre Virgínia Brites da Paixão.

Tendo em consideração o seu “primeiro passo da sua santificação” (o Sacramento do Batismo) e a sua missão:

– ser escolhida por Jesus para viver em intimidade com Ele;

– manifestar aos homens a alegria de O conhecer e amar;

– divulgar a devoção ao Imaculado Coração de Maria”

podemos concluir que não foi difícil à Madre Virgínia deixar este mundo.

Ela também tratou de arranjar grandes e poderosos amigos no Céu. Amigos que ela própria escolhera desde muito jovem: para além de Jesus e da Sua Santíssima Mãe elegera São José; S. João Evangelista, S. João Eudes, S. Caetano e as almas do Purgatório, que a receberam em festa.

A Madre Virgínia é uma grande amiga que temos no Céu. Ela também estará à nossa espera com os Santos da nossa devoção, aquando do “feliz trânsito” de cada um de nós.