Eucaristia presidida por D. Nuno assinalou fim do restauro do presbitério da igreja de São Paulo

Foto: Duarte Gomes

Em dia de Cristo Rei, 22 de novembro, o Bispo do Funchal presidiu a uma Eucaristia na Paróquia de São Paulo, na Ribeira Brava, com a qual se assinalou a conclusão do primeiro restauro do Presbitério daquela igreja.

A intervenção, que decorreu ao longo dos últimos dois meses, esteve a cargo da empresa ‘Sentir a Arte’, e foi uma doação de Florinda Rodrigues, irmã da Confraria do Santíssimo Sacramento, também em memória póstuma de seu marido Eliseu Rodrigues. Consistiu, essencialmente, na recuperação dos dourados do Altar, do Ambão e do Sacrário.

Na homilia desta Eucaristia, concelebrada pelo Pe. João Manuel, pároco de São Paulo e pelo cónego Fiel de Sousa, vigário geral da diocese, D. Nuno Brás refletiu sobre as leituras para sublinhar que “Deus anda à nossa procura, à tua procura”. E anda Ele próprio, sem intermediários, porque “cada um de nós é importante para Ele”. 

E isso acontece, lembrou, porque “cada um de nós é criado à imagem de Jesus Cristo” e “interiormente tem a sua forma”. A forma daquele que vem à procura de todos e de cada um, mas “sobretudo dos pobres, dos mais humildes, dos esquecidos”. Daqueles que, como se dizia no Evangelho, “não têm nenhum poder, daqueles que não valem nada aos olhos de toda a gente”.

Esta é, disse D. Nuno Brás, “a nossa grande riqueza de seres humanos. Deus perceber que em nós pode fazer esta forma, esta pessoa de Jesus Cristo. O Pai percebe que em nós nos pode dar esta forma de Jesus”, disse a propósito D. Nuno, para logo acrescentar que “nós cristãos percebemos isso desde o dia do nosso batismo” porque “desde esse dia estamos marcados pela vida de Jesus Cristo”.

E ter a forma de Jesus, explicou, é “ter a vida de Jesus, é ter a atitude de Jesus, é ter o olhar de Jesus e é ter o Coração de Jesus”. E todos “somos capazes de a ter, basta deixar”, frisou.

O prelado disse ainda que “a Eucaristia que nós comungamos todos os domingos é este Jesus Cristo que vem até nós, para nos dar a sua forma” e para nos “ajudar a viver com Ele”.

“Que pena que haja tanta gente que não sabe e que não vive com isso”, lamentou D. Nuno Brás que explicou que “os grandes homens e as grandes mulheres da história do mundo são aqueles que tiveram a forma de Jesus Cristo.

Em dia da solenidade de Cristo Rei, o bispo do Funchal sublinhando ser importante “agradecermos ao Pai tudo isto e agradecermos ao Pai por andar à nossa procura” e também “por nos dar esta possibilidade a nós, que somos humildes, que valemos pouco, de construir em nós Jesus Cristo”. E para isso, concluiu, basta “abrirmos-Lhe o coração”. 

Em momento próprio, logo após a Comunhão, D. Nuno Brás procedeu à trasladação do Santíssimo Sacramento do Sacrário temporário para o Sacrário principal, agora devidamente recuperado.

No final da celebração, o Pe. João Manuel agradeceu a presença do bispo e do vigário geral neste momento importante para a comunidade de São Paulo. “Uma comunidade unida”, que percebe a importância de “cuidar dos locais onde se faz a Eucaristia: o Ambão, o Altar, o Sacrário”, e que está grata por “este passo”, por esta “decisão ponderada” de uma paroquiana que decidiu ajudar neste trabalho de restauro, que uma placa colocada à entrada para a sacristia perpetua no tempo.