O fascínio ou a loucura do poder?

Foto: Bruno Colaço

A dignidade é a expressão da humanidade do Homem, é uma questão eminentemente ligada ao conceito de Pessoa, que o é pelo facto de existir como tal, como membro da espécie humana. A dignidade transcende o Homem e todos os homens, é inerente à Pessoa pela supremacia que a envolve e distingue, não porque o Direito lha atribui.

Porém, nas últimas décadas temos vindo a assistir a uma intencional retirada desta dignidade como tendência de reduzir o Homem à ínfima qualidade de “humano”, aproximando a nossa espécie da animalidade, coartando-lhe assim a riqueza do Ser, no sentido ôntico da existência e da nobreza que lhe assiste, como ser racional, espiritual e moral, criado para algo mais…

Argumentação envolvida em relativismos premeditados e necessários para fazer valer uma hipotética hipótese de desconstrução antropológica, biológica e psíquica, pretendendo substituir toda esta essência do Ser, por uma ideologia partidária, redutora em duplo sentido, porque não é científica e porque se confina a uma perspectiva politica anti-humana.

Recorrendo a estratégias de (re)engenharia social, os novos agentes do “poder global” visam minar os alicerces duma cultura científica alicerçada em saberes antropológicos, filosóficos e sociais. Negar a existência de Deus foi o primeiro passo para aniquilar o Homem, retirando-lhe a sua origem divina liga-o ao material, ao corruptível, ao versátil e ao manipulável. Resta então um campo permeável aos “novos paradigmas”, à colonização de consciências rumo ao pensamento único, modelado pelo “politicamente correcto”, em jeito de neototalitarismo, sob os auspícios da ONU, com o auxílio das ONG e respectivos comités criados para esse fim.

Sabemos que já foi plano de totalitarismos no século XX, nomeadamente com o nazismo e o marxismo, mas agora um novo poder se ergue para dessacralizar a vida humana, para subverter os valores tradicionais, a família e o casamento.

Vivendo como se Deus não existisse, o homem sonha colocar-se no seu lugar, arroga para si próprio o direito de criar e interferir no mistério da vida humana, através de manipulações genéticas, de decisões que determinem a morte dum nascituro ou de outro qualquer cidadão a seu belo prazer, invocando razões controversas para impor o poder de matar.

Com muita perplexidade somos confrontados com a imposição da cartilha politica, para legislar com carácter de urgência a morte a pedido.

Surreal e macabro insistir cegamente num plano maquiavélico de não poupar meios para atingir os fins e continuarem a insistir na legalização da eutanásia.