D. Nuno benzeu cantinho de oração na Bica da Cana pedindo aos fiéis para se deixarem encontrar pelo Bom Pastor

Foto: Duarte Gomes

O bispo do Funchal presidiu este sábado, dia 12 de setembro, a uma Missa Campal a que se seguiu a bênção do Cantinho do Bom Pastor, um pequeno oratório localizado no Parque de Merendas da Bica da Cana, no Paul da Serra.

Na homilia desta celebração, em que participaram representantes das principais autoridades civis e militares regionais e locais, entre as quais o Representante da República, a Secretária do Ambiente, em representação também do presidente do Governo, e a Presidente da Câmara da Ponta do Sol, bem como um bom número de fiéis,  D. Nuno Brás começou por lembrar que “o nosso modo de viver cristão, e mesmo o nosso modo de viver como cidadãos, foi muito marcado pela figura de Santo Agostinho”.

Santo Agostinho passou grande parte da sua vida “à procura de Deus, à procura de encontrar o rosto de Deus que se manifesta em Jesus Cristo” sem que tivesse sucesso e pensando mesmo que Deus não se podia encontrar. Porém, certo dia, a busca deu frutos e Aurélio Agostinho encontrou Jesus Cristo.

Olhando para trás, para a sua vida, ele foi vendo, nos vários acontecimentos, que afinal “era Deus que estava à sua procura” e não o contrário. É isso que ele relata no seu livro “Confissões”. Deus procurava-o em todos aqueles com quem se foi cruzando: na sua mãe, nos seus amigos, em todos quantos foi encontrando, ainda que admita que tantas vezes fugiu a esse encontro.

E tal como a Santo Agostinho, “Deus também nos procura a nós, a cada um de nós”, frisou o bispo diocesano, que convidou a assembleia a fazer o mesmo exercício de olhar para as suas vidas e “perceber que Deus anda à nossa procura” e de recordar “todas aquelas vezes, todos aqueles sinais que o próprio Deus vos deu de que andava à vossa procura”.

Na verdade, só precisamos de estar atentos para percebermos que “o Bom Pastor anda à nossa procura, porque nós somos aquela sua ovelha perdida”. Só precisamos de “coragem para nos deixarmos encontrar” e para não fugirmos Dele, por termos medo, por acharmos que não somos dignos, ou porque não nos queremos dar ao trabalho ou não queremos mudar de vida.

“Deixemo-nos encontrar pelo nosso Bom Pastor. Deixemo-nos encontrar por Deus. Não tenhamos medo. Ele põe-nos verdadeiramente aos ombros, conduz-nos ao redil, conduz-nos a viver a vida com Ele, aquela vida feliz por que nós procuramos e que temos tanta dificuldade em encontrar”, apelou D. Nuno Brás que concluiu pedindo aos fiéis para que “nos disponhamos verdadeiramente a este encontro” e desejando que “Este cantinho do Bom Pastor seja este sinal, aqui no meio da nossa ilha, de um Deus que vem à nossa procura, de um Deus que não descansa enquanto não nos encontra a todos e a cada um de nós”.

Espaço de oração

Recorde-se que a ideia de criar este espaço de oração dedicado ao Bom Pastor é do Pe. Bernardino Andrade que, para além de ter no Bom Pastor o grande guia e a grande inspiração da sua vida, quis partilhar com todos os que visitam aquele espaço a imagem que lhe foi oferecida por D. António Carrilho, aquando da celebração das suas Bodas de Ouro de ordenação sacerdotal, assinaladas em 2015.

O oratório foi desenhado pelo arquiteto Juan Enrique Pita de Andrade e construído pelo empresário Egídio Pombo, que acabou por não cobrar nada pelo trabalho, nem pelos materiais usados, fazendo dessa despesa uma oferta sua e da sua família.

Na hora dos agradecimentos, ambos mereceram uma palavra por parte do Pe. Bernardino Andrade, que agradeceu ainda a pronta disponibilidade do bispo diocesano para “celebrar connosco este acontecimento importante”.

Foram ainda merecedores de uma palavra especial os Padres Silvano Gonçalves e José Luís de Sousa, pelo seu empenho e sua ajuda para que este projeto se concretizasse.

A terminar de referir que esta Eucaristia, concelebrada pelos supracitados sacerdotes e ainda pelo Pe. Carlos Almada, foi animada pelo Grupo Coral da Paróquia do Carvalhal, nos Canhas, e que o ofertório se destinou à Associação “Gente Ajudando Gente”, de que o Pe. Bernardino é fundador. Esta associação tem o Bom Pastor como seu padroeiro e por objetivo ajudar os mais pobres e os que sofrem, “seja qual for a causa e a culpa desse sofrimento”.