Santuário de Fátima acolhe peregrinação da comunidade surda em Portugal

«Momento que é de encontro, de oração, de alegria e convívio» – Padre Carlos Cabecinhas

O Santuário de Fátima vai promover a sexta peregrinação da comunidade surda em Portugal, nos próximos dias 12 e 13 de setembro, e o reitor convidou para um “momento que é de encontro, de oração, de alegria e de convívio”.

“Queremos deixar-vos o convite a vir a este momento que é de encontro, que é de oração, que é de alegria e de convívio ”, disse hoje o padre Carlos Cabecinhas numa mensagem vídeo, com interpretação em Língua Gestual Portuguesa (LGP), enviada à Agência ECCLESIA.

O reitor do Santuário de Fátima assinala que “é com muita alegria” que comunicam a realização da peregrinação anual da comunidade surda à Cova da Iria, neste ano de 2020, que é uma iniciativa promovida em conjunto com o Grupo de Intérpretes de Língua Gestual Portuguesa do santuário.

A peregrinação começa com o acolhimento, pelas 17h30, no dia 12 de setembro, um sábado, e à noite, a Comunidade Surda vai participar no rosário e na procissão das velas, inserido no programa da Peregrinação Internacional Aniversária de setembro, a partir das 21h30.

O santuário informa que vai ser recitado um mistério em Língua Gestual Portuguesa por um peregrino surdo; E pelas 22h30 participam na celebração da Palavra e Procissão do Silêncio.

No dia seguinte, 13 de setembro, o programa da peregrinação da comunidade surda tem início com uma catequese sobre a Mensagem de Fátima, pelas 10h00, e a Eucaristia de encerramento, com interpretação em LGP, começa às 15h00, na Basílica da Santíssima Trindade.

O Santuário de Fátima informa que o grupo de intérpretes de língua gestual portuguesa que colabora com a instituição é composto por 12 elementos que semanalmente, ao domingo, interpretam em língua gestual portuguesa a Missa das 15h00, na Basílica da Santíssima Trindade.

A primeira peregrinação da comunidade surda ao santuário mariano realizou-se em setembro de 2015, “com cerca de três dezenas de surdos que participaram em várias iniciativas propostas, dois anos depois do santuário ter começado a oferecer uma Missa semanal com interpretação em Língua Gestual”.

CB